Formula Chopp

Homem é multado em R$ 74 mil por manter aves silvestres em cativeiro em Franca

  • Nina Ribeiro
  • Publicado em 5 de março de 2021 às 13:00
  • Modificado em 5 de março de 2021 às 18:04
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Pássaros estavam em gaiolas espalhadas por paredes de loja de ração no bairro Vila Sebastião. Suspeito disse que recebia animais em troca de produtos

Comerciante mantinha aves silvestres em cativeiro na Vila São SebastiãoComerciante mantinha aves silvestres em cativeiro na Vila São Sebastião

 

Um homem foi multado em R$ 74 mil, na última quinta-feira (4), por manter 74 aves nativas em cativeiro, em Franca.

Segundo a Polícia Militar Ambiental, o flagrante foi feito em uma loja de rações, na Vila São Sebastião, após denúncia.

No local, além de alimentos para animais, eram comercializadas aves exóticas e para produção.

Durante a abordagem, os policiais perceberam que também havia pássaros nativos no local.

Ao chegar aos fundos do estabelecimento, os policiais localizaram vários exemplares de aves silvestres mantidas presas.

Imagens feitas pela patrulha mostram os bichos espalhados em gaiolas penduradas nas paredes dos cômodos.

De acordo com a polícia, o homem disse que recebia os pássaros de terceiros em troca de mercadorias da loja, o que configura escambo. Ele também informou que não tem licença de órgão ambiental.

Foram apreendidos 32 canários da terra verdadeiros, 16 trinca-ferro, 13 coleirinhos papa capim, três bigodinhos, quatro pássaros pretos, três pintassilgos de cabeça preta, uma pomba asa branca, um papagaio verdadeiro e um azulão, o único com anilha.

As aves foram levadas ao Viveiro Transitório de Animais Silvestres (Vitas) para triagem e deverão ser soltas após avaliação.

Segundo a Polícia Ambiental, com exceção do papagaio e do azulão, já domesticados, todas aparentavam terem sido capturadas recentemente.

O comerciante recebeu uma multa de R$ 74 mil por manter as aves ilegalmente e por obter vantagem financeira sobre elas.

De acordo com a polícia, o caso será encaminhado à Polícia Civil para instauração de inquérito por crime ambiental.

*Informações G1


+ Meio Ambiente