Formula Chopp

Custo da energia elétrica deve aumentar em maio e também em junho: efeitos da seca

  • Cláudia Canelli
  • Publicado em 14 de maio de 2021 às 16:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Estudo da consultoria Trinity indica que a bandeira vermelha acrescentará R$ 6,75 a uma conta de luz de uma família brasileira média

Os brasileiros sentirão no bolso, já a partir de maio, os efeitos da seca do último verão no Sudeste e Centro-Oeste.

As contas de energia elétrica subirão com a entrada em vigor da Fase 1 da bandeira vermelha.

Em junho, é possível que a Aneel avance para a Fase 2, gerando outro aumento.

Empresários do setor alertam que a situação dos reservatórios é “crítica”.

A culpa, evidentemente, não é de São Pedro.

O País tem um modelo energético defasado.

A isso se somou uma conjunção de fatores negativos: o baixo nível dos reservatórios, os tributos em excesso e os subsídios que incidem sobre as contas, além dos efeitos da pandemia.

O resultado recai sobre o consumidor brasileiro, que paga um dos preços mais caros do mundo.

Apenas o acionamento das usinas termoelétricas custará R$ 2 bilhões por mês.

É mais um peso nas costas do cidadão e do setor produtivo.

O modelo, além de tudo, não é transparente.

“A conta de energia elétrica já vem com uma série de subsídios: o consumidor financia a agricultura, o carvão de Santa Catarina, o diesel da Amazônia”, diz Paulo Pedrosa, presidente-executivo da Abrace.

Para ele, o estresse hídrico provocado pela seca de 2020/21 contribuiu para piorar a situação.

Executivo destaca a falta de modernização do setor.

Um projeto de lei nesse sentido está parado há anos no Senado.

Além do custo adicional da geração termoelétrica, o consumidor deverá pagar mais caro pela energia importada da Argentina e pela chamada “Conta Covid”.

São os subsídios que o governo federal pagará em compensação às transmissoras e distribuidoras por causa da pandemia, que provocou redução no consumo e inadimplência entre consumidores.

Um estudo da consultoria Trinity indica que a bandeira vermelha acrescentará R$ 6,75 a uma conta de luz de uma família brasileira média, em maio. Em junho, a conta pode subir R$ 10,11.

Escassez

A situação é fortemente agravada pela escassez de chuvas.

O último período chuvoso, de dezembro de 2020 a março último, foi o de menor volume de chuvas em uma década no Sudeste e no Centro-Oeste, que geram mais de 60% da energia elétrica do País.

Em 11 de maio, esses reservatórios estavam com 33,7% da capacidade, nível considerado muito ruim.

Normalmente, as represas entram em maio com essa marca acima de 50%, satisfatória para atravessarem o período seco até outubro.

Reservatórios

O racionamento só acontece se a água cair a menos de 15% nos reservatórios, o que por enquanto é afastado por todos.

Com isso, os operadores se viram forçados a acionar as termoelétricas movidas a gás natural.

Daí outro problema se somou à cadeia de preços. Apenas em 1º de maio, o preço do gás natural subiu 39%.

Com a demanda em alta e a oferta em baixa e cara, o desfecho é o aumento nas contas. Esta é a perspectiva também para 2022. Uma notícia ruim para a economia, já penalizada pela inflação acima da meta.

O IPCA, considerado a inflação oficial, acumula em 12 meses uma alta de 6,76%, maior nível em quase quatro anos e meio. Está mais de três pontos percentuais acima do previsto (3,75%), e se distancia do teto (5,25%).

É um péssimo sinal

As termelétricas foram acrescentadas ao sistema elétrico após o apagão de 2001, uma providência que agora se mostra crucial.

Mas outro problema permanece crônico no País: a falta de planejamento e o descaso com o consumidor.


+ Economia