Formula Chopp

Apadrinhamento Afetivo: programa será lançado em Franca na quarta, 27

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 25 de março de 2019 às 20:41
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 19:27
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Objetivo do programa é garantir às crianças e adolescentes direito à convivência familiar e comunitária

A Secretaria de Ação
Social Família Acolhedora apresentará na quarta-feira, dia 27 de março, o
programa Apadrinhamento Afetivo, que tem como objetivo garantir
efetivamente o direito à convivência familiar e comunitária de crianças e
adolescentes em acolhimento institucional.

A apresentação será no
Auditório da Secretaria de Educação às 19 horas.

O Apadrinhamento Afetivo, que é
desenvolvido em conjunto com poder judiciário, tem como objetivo desenvolver
estratégias e ações que possibilitem e estimulem a construção e manutenção de
vínculos afetivos individualizados e duradouros entre crianças e / ou
adolescentes acolhidos e os padrinhos/madrinhas voluntários. Com isso, a rede
de apoio afetivo, social e comunitária será ampliada para além do abrigo.

O programa vai atender crianças e
adolescentes que não têm condições de voltar para o convívio familiar ou
dificilmente serão adotados por não preencher
o perfil, como por exemplo, a questão da idade.

Segundo a assistente
social, Eliete Neves, atualmente 15 crianças ou adolescentes estão aptas a
serem apadrinhadas. Ao serem acompanhadas por um
padrinho/madrinha, as crianças poderão passar finais de semana com a família,
datas comemorativas e férias escolares. Vale ressaltar que não há ajuda
financeira. E todo o acompanhamento será feito pela equipe de assistência
social e psicólogos.

Para ser padrinho/madrinha é preciso ter
mais de 18 anos, disponibilidade de tempo e afeto, ambiente familiar receptivo,
concordância do cônjuge da família, não estar cadastrado para adoção, não
apresentar demanda judicial que envolva situações com crianças e adolescentes.

As famílias
interessadas passarão por uma capacitação quando serão orientados sobre o papel
do padrinho, serão entrevistados e receberão uma visita domiciliar para avaliar se o
local está apto a receber uma criança/adolescente. Além disso, terá que
apresentar uma série de documentos.

Interessados em saber
mais sobre o programa e como se candidatar podem entrar em contato pelo
telefone: 3701-1058.