Nova Procuradora da Mulher da Câmara, Lurdinha Granzotte divulga propostas

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 13 de janeiro de 2021 às 15:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Embora o auxílio no protocolo da denúncia e na requisição de medidas protetivas sejam o cerne da atuação, a Procuradoria pretende fazer mais.

No dia 1º de janeiro deste ano, logo após a posse do prefeito, vice-prefeito e parlamentares, a Procuradoria Especial da Mulher ganhou uma nova dirigente.

Trata-se da vereadora Lurdinha Granzotte (PSL), que estará à frente da comissão criada em outubro de 2019.

O órgão contará também com a vereadora Lindsay Cardoso (Cidadania) como Procuradora Adjunta.

A Procuradoria Especial da Mulher tem como objetivos

a)  – receber, examinar e encaminhar aos órgãos competentes denúncias de violências e discriminação contra a mulher;

b) – fiscalizar e acompanhar a execução de programas do governo Municipal que visem à promoção da igualdade de gênero;

c) – cooperar com organismos voltados à implementação de políticas para as mulheres;

d) – e promover pesquisas, seminários, palestras e estudos sobre violência e discriminação contra a mulher.

Lurdinha decidiu se candidatar ao cargo por entender a dor dessas mulheres: ela própria já sofreu violência doméstica.

“Quando você sente na pele o problema do outro, é mais fácil de você ajudar. Como já passei por essa situação, creio que tenho muito a contribuir. Quero ser uma voz para essas mulheres na Procuradoria”, explicou.

Como muitas das mulheres vitimizadas ou ainda têm medo e vergonha de fazer denúncias contra seus agressores ou ficam sem saber como proceder, a Procuradoria irá aconselhá-las a comparecer à DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) e prestar queixa:

“Se a gente não apresentar [a denúncia] da primeira vez, tudo [as agressões] vai continuar acontecendo da mesma forma. Então, as mulheres precisam dar o primeiro passo. Por causa disso, queremos acolher essas mulheres, conversar e orientar, passo a passo, o que elas tem que fazer para resolver o problema. Nós vamos, se precisar, à delegacia com essa mulher fazer o boletim de ocorrência. Dessa forma, ela poderá pedir uma medida protetiva. Vamos acompanhar todo o processo”.

Embora o auxílio no protocolo da denúncia e na requisição de medidas protetivas sejam o cerne da atuação da Procuradoria, a vereadora pretende fazer mais.

Está em seus planos organizar a realização de palestras para recuperar a autoestima e a autoconfianças dessas mulheres, além de dar uma nova perspectiva de vida a elas.

Trabalhos voluntários ministrados por pessoas interessadas na causa também já estão sendo preparados.

Lurdinha expressa ainda o desejo de, se possível, reestruturar as famílias que passam por episódios de violência, pois estes afetam a todos.

Sob a nova gestão, a Procuradoria deve buscar as causas das agressões em cada caso atendido:

“Para acabar com a violência, precisamos saber por que está acontecendo tudo isso. Não somos psicólogos, mas estamos aqui umas pelas outras. Se a mulher precisar de atendimento especializado, iremos procurar o psicólogo ou assistente social da DDM. São benefícios a que a mulher tem direito e ela não sabe que existem. Precisamos dar condições para a mulher enfrentar essa situação”.

As mulheres que quiserem agendar uma reunião com a Procuradoria Especial da Mulher da Câmara podem ligar para os telefones (16) 3713-1536 e (16) 3713-1572;

Podem também enviar mensagens via WhatsApp para o número (16) 99133-5774;

Oi ainda mandar e-mails para [email protected] e [email protected].

Lurdinha adianta que todos os atendimentos serão feitos com todo o carinho e discrição.