CONFETES E SERPENTINAS

Postado em: - Atualizado em:

​O Carnaval era uma festa alegre. Passávamos o mês de janeiro inteiro confeccionando fantasias, improvisando, arrumando costureiras de fantasias para blocos e muitas conversas, risadas, alegrias! Marchinhas ... Era só diversão saudável, sonhos, fantasias, muito sol pra pele ficar bonita e bronzeada... Nada mais.

Hoje temos a alegria de ver em Franca o Bloco Cangoma puxando as marchinhas carnavalescas e as danças folclóricas brasileiras. Alegria, tudo saudável e cultural.

Mas minha intenção hoje é contar uma conversa que tive com uma amiga, professora de piano, formada pela USP e veio me pontuar sobre a DIDÁTICA CARNAVALESCA que estamos testemunhando pelos alunos que recebemos de alguns lugares.

O aluno chega pra gente tendo “ estudado”meses ou anos de “ piano” e quando vamos avaliar o que ele sabe de conteúdo para darmos continuidade, vemos o quanto se perdeu de tempo. Um aluno dela se queixou que entrou numa escola que prometia felicidade e que instrumento existe para fazer as pessoas felizes. OK... tudo bem. Ouvirmos alguém tocando bem é algo que nos dá prazer e felicidade mesmo. Mas para aquele músico chegar a tocar bem, ele precisa estudar, treinar, se dedicar muito aos estudos para que seja realmente um bom executante daquele instrumento. Mas a promessa ficou em oferecer um ambiente de boas conversas, ( CONFETES ) um pouquinho de experimentação musical,( SERPENTINAS) mas nada de ENSINO. Então ela me perguntou o que eu achava disso que ela tinha ouvido, pois até então, não estava lecionando e de repente se depara com um marketing muito estranho a respeito do estudo de um instrumento musical.

Eu disse a ela que isso é só carnaval, ou seja, passageiro, dura muito pouco tempo, gasta-se dinheiro preparando o carnaval (anos investindo em ser feliz sem estudar), usa-se fantasias ao invés de roupas normais ( veste-se a partitura com formas adaptadas de se ler música – verdadeiras fantasias quase imitando alguma realidade), e no final a frustração da 4ª feira de cinzas, a ressaca dos estudos mal feitos, da felicidade prometida e não alcançada porque era apenas uma ilusão.

Assim é o ensino de mentirinha. É um carnaval. Joga-se muitos confetes nos alunos, dizendo que o importante é a folia e a alegria... Serpentinas em formas de elogios também, mantendo a ilusão de que se está ESTUDANDO OU APRENDENDO um instrumento musical. Todo mundo pode fazer uma fantasia e até vendê-la para pular no carnaval de rua. Mas não passa de um carnaval de rua, ou não passam de 4 dias, ou se for investir o ano todo para sair na avenida, também foi um alto custo para ter a ilusão do desfile numa passarela.

Estou ouvindo agora alguém tocando muito bem, estudando, veio uma hora antes da aula para estudar e estou aqui de plantão ouvindo seus estudos enquanto escrevo, avaliando o que preciso corrigir em aula na forma de estudar. Este alguém tem apenas 12 anos de idade e me procurou porque queria aprender música de verdade.Cansou de investir desde os 7 anos e sempre ficar no mesmo lugar. Música é evolução como a ciência ! Evolui-se em Geografia, Matemática, História e evolui-se em Música.

Hoje criei um curso intenso porque antes, o que um aluno meu demoraria 2 anos para aprender, hoje ele aprende em 2 ou 3 meses. É intenso, organizado, com ergonomia e outros detalhes que fazem o aprendizado ser mais rápido e eficiente.

Fiquemos atentos.

Estudo sério e sistematizado traz felicidade. O resultado é compensador, além de ter desenvolvido muitas habilidades.

Ser feliz na música, no futebol, no basquete, na escola, é sinônimo de dedicação, perseverança, para no amanhã, colher felicidade!

Vamos nos alimentar o ano inteiro com os estudos que trazem saciedade! E brindemos depois com um bom Champagne ou um vinho ou o que quer que seja! Brindemos com a saciedade de conhecimentos e desenvolvimento de habilidades. Mas entendamos que MÚSICA É PARA SER LEVADA A SÉRIO COMO QUALQUER OUTRA CIÊNCIA!

Alimente-se do básico, essencial, completo!

*Esta coluna é semanal e atualizada aos domingos.​