Veja aqui os alimentos fontes de melatonina e que podem favorecer o sono

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 24 de janeiro de 2020 às 19:59
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 20:18
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Hormônio do sono está na comida. Estudo sugere que esses ingredientes são aliados de quem tem insônia

Milhões de brasileiros não sabem o que é dormir com facilidade ou manter uma boa noite de sono. Eles convivem com a insônia, quadro capaz de trazer repercussões mais graves do que um baita cansaço no dia seguinte. 

Para se ter ideia, não descansar adequadamente atrapalha o metabolismo e aumenta o risco de hipertensão e doenças cardiovasculares e neurocognitivas, entre outros problemas.

Na busca por soluções, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) revisou vários estudos feitos até então sobre o efeito de alimentos ricos em melatonina na qualidade do sono. E o resultado foi animador.

Mas o que é a melatonina?

Chamada de hormônio do sono, essa substância é fabricada à noite pela glândula pineal, localizada no cérebro.

“Durante o dia ela permanece inativa e, quando o sol se põe e escurece, a pineal é ativada e começa a produzir melatonina ativamente”, explica a nutricionista Maria Fernanda Naufel, pesquisadora da Unifesp e uma das autoras do estudo. 

Com a liberação do hormônio no sangue, o indivíduo começa a ficar menos alerta. “E o sono se torna convidativo”, completa a expert.

Ocorre que a melatonina também pode ser encontrada em muitos alimentos. Maria Fernanda cita ovos, peixes, carne e leite (incluindo o materno).

E olha que curioso: de acordo com a nutricionista, estudos recentes apontam que há maiores concentrações no leite ordenhado durante o período noturno.

A substância ainda marca presença em alimentos de origem vegetal, a exemplo de frutas, sementes, cereais, óleo, vinho e cerveja. 

No reino das frutas, Maria Fernanda conta que uva, cereja, morango e kiwi são destaques. Itens como pimenta, tomate, cogumelos, trigo, aveia e cevada também merecem menção honrosa.

Leite e cereja 

Embora a lista de alimentos ricos em melatonina seja extensa, a revisão conduzida por Maria Fernanda e seus colegas só considerou estudos que apresentavam uma metodologia mais elaborada — até para chegar ao resultado mais fidedigno possível. 

“Por esse motivo, de um total de 190 pesquisas encontradas sobre o assunto, somente oito estavam dentro dos critérios pré-estabelecidos”, esclarece.

Coincidentemente, dos oitos artigos, quatro abordavam a influência do leite (tradicional, ordenhado à noite ou fermentado) e da cereja (na forma de suco ou concentrada) na qualidade do sono. 

“Daí porque só esses dois são citados nos resultados e na discussão”, justifica.

Em resumo, ambos os alimentos foram considerados parceiros de uma noite revigoradora entre os lençóis. 

“Eles podem aumentar a concentração de melatonina no organismo, melhorando a qualidade do sono”, aponta Maria Fernanda. Só que ainda não foi possível estabelecer a dosagem nem a duração do tratamento.

E os outros alimentos?

Apesar de o trabalho focar no leite e na cereja, a pesquisadora da Unifesp acredita que o resultado seja válido para os demais ingredientes que concentram melatonina.

Segundo ela, se a intenção é consumi-los apenas uma vez ao dia, parece que o momento mais interessante é aquele perto do horário de dormir. 

“Contudo, mais estudos são necessários para chegar a um acordo sobre dose, duração da intervenção e horário apropriado para o consumo”, reforça.

Ainda assim, as conclusões empolgam. “Nos dias de hoje, a utilização de medicamentos para dormir é comum. Só que eles apresentam efeitos colaterais importantes”, relata Maria Fernanda.

Se a dieta contribuísse para uma redução no uso desses fármacos, já valeria muito a pena.

Para além da melatonina

Não basta buscar ingredientes ricos na substância amiga do travesseiro. Para ter uma noite realmente reparadora, a dieta como um todo deve passar por uma revisão.

“A alimentação saudável é um dos pilares para a melhora do sono”, crava Maria Fernanda. De olho nisso, é preciso abrir espaço, por exemplo, para mais frutas, verduras e legumes.

Por outro lado, abusar de produtos ultraprocessados — em geral abastecidos de açúcar, sal e gorduras saturada e trans — é um convite a noites em claro. 

Até porque eles elevam o risco de obesidade, “E inúmeros estudos associam esse quadro a um aumento expressivo na incidência de apneia obstrutiva do sono, por exemplo”, descreve a nutricionista.

Para ter ideia, em trabalho anterior, a pesquisadora e sua equipe descobriram que valores elevados de IMC (índice de massa corporal) e obesidade abdominal aumentavam o risco de apneia em 60%.

Também reduziam significativamente o sono profundo e a sua eficiência. Por isso, é crucial manter um cardápio equilibrado e evitar o ganho de peso excessivo.

Dentro desse menu, vale incluir alimentos ricos em lactucina, passiflora, triptofano e serotonina, outros elementos considerados relaxantes e indutores do sono. 

Maria Fernanda conta que vale apostar em banana, frutas vermelhas, kiwi, maracujá, alface, sementes (como a da abóbora), oleaginosas e por aí vai.

“O acompanhamento nutricional e a adequação e individualização da dieta são importantes para que o tratamento de distúrbios do sono seja mais efetivo e duradouro”, finaliza a especialista.