Formula Chopp

Todo o coronavírus do mundo cabe em meia lata de refrigerante, diz matemático

  • Nina Ribeiro
  • Publicado em 14 de fevereiro de 2021 às 09:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Foi considerada a quantidade de pessoas infectadas, o número de vírus no pico da infecção e o tamanho da partícula para estimar volume

Todo coronavírus do mundo cabe em meia lata de refrigeranteTodo coronavírus do mundo cabe em meia lata de refrigerante

 

Apesar de ser responsável por mais de 2 milhões de mortes e por paralisar o planeta inteiro em lockdowns para evitar a transmissão, todo o coronavírus do mundo cabe em meia lata de refrigerante.

A conta foi feita pelo matemático britânico Christian Yates, da Universidade de Bath, no Reino Unido.

Segundo o pesquisador, cada vírus mede cerca de 100 nanômetros, o que corresponde a 100 bilionésimos de metro, sendo mil vezes mais fino que um fio de cabelo humano.

No pico da carga viral, por volta do sexto dia da infecção, o paciente pode ter 100 bilhões de coronavírus no corpo.

O Instituto de Métricas e Avaliações em Saúde, nos Estados Unidos, estima que há 3 milhões de pessoas infectadas por dia no mundo inteiro.

O matemático usou os números para estimar quantas partículas de coronavírus existem no mundo, e chegou à quantidade de 200 milhões de bilhões, semelhante à quantidade de grãos de areia existentes no planeta.

Yates calculou o volume de um coronavírus, e definiu que cada vírus tem cerca de 523 nanômetros cúbicos.

Multiplicando este número pela quantidade de partículas, chegou a um volume de 120 ml.

Considerando o espaço entre os coronavírus, caso fossem todos colocados em um recipiente, eles ocupariam 160 ml, metade de uma lata de refrigerante.

A conta não é perfeita, já que é feita tomando como base números estimados.

“É chocante pensar que todos os problemas e vidas perdidas que tivemos no último ano foram causados por alguns goles do que seria, sem nenhuma dúvida, a pior bebida da história”, escreve o matemático em artigo publicado na revista The Conversation.

*Informações Metrópoles


+ Ciência