Tabagismo: parar de fumar é uma tarefa difícil para qual é preciso ajuda

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 7 de fevereiro de 2019 às 20:54
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 19:22
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

A cada ano, seis milhões de pessoas morrem em todo o mundo por doenças atribuídas ao cigarro

Os dependentes do tabaco enfrentam
muitos desafios quando decidem parar de fumar. Nem sempre tentar sozinho é uma
tarefa fácil, por isso, muitas vezes é importante pedir ajuda médica.

A psicóloga especialista no assunto
Ivone Charran conta que aproximadamente 5% dos fumantes conseguem abandonar o
cigarro sozinhos, sem tratamento ou acompanhamento médico. “O restante, ou 95%,
precisam de ajuda especializada”, afirma.

O consumo de tabaco só traz prejuízos
para a saúde. Entre os inúmeros malefícios para os fumantes, o tabaco aumenta
significativamente as chances de morte por acidente vascular cerebral, doenças
respiratórias e odontológicas.

De acordo com a diretora da
Vigilância Sanitária Estadual, Maria Cristina Megid, o maior número de vítimas
do tabaco morre por infarto. Fumantes apresentam a doença precocemente. “O
hábito é um fator de risco para doença coronariana precoce, mas também para
doenças respiratórias, que geralmente começam a pesar na saúde do fumante com
50, 60 anos. Nota-se, a partir desta idade, que o fôlego acabou”, explica.

Segundo dados do Incor, a cada ano 6
milhões de pessoas morrem em todo o mundo por doenças atribuídas ao cigarro. No
Brasil, cerca de 130 mil pessoas morrem todos os anos vítimas de doenças
relacionadas ao fumo, o que representa 13% do total de óbitos do país.

“O tabaco mata mais que todas as
outras drogas juntas”, garante o psiquiatra Montezuma Pimenta Ferreira, do
Ambulatório de Tabagismo do Hospital das Clínicas de São Paulo. “Sem contar, é
claro, que muitas vezes essa dependência anda de mãos dadas com outras, como
alcoolismo e o vício em outras drogas”, completa.

Para ajudar a parar com o vício e
evitar recaídas, trocar o cigarro por algo que dê prazer, como as atividades
físicas, pode ajudar. Elas são capazes de melhorar a qualidade de vida e atuam
como uma válvula de escape.

O motorista Belmiro da Silva conta
que parar de fumar foi estressante. “No começo você está animado, as pessoas te
apoiam, mas depois a empolgação passa, você quer fumar pelo hábito quando vê
outras pessoas fumando. É preciso muita força de vontade e dedicação”, diz.

Lei Antifumo

Uma medida efetiva no combate ao
tabagismo foi criada em agosto de 2009, com a Lei Antifumo. A normativa, que
serviu de exemplo para vários outros estados brasileiros, proíbe o consumo de
cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos ou de qualquer outro produto fumígeno,
derivado ou não do tabaco, em locais total ou parcialmente fechados.

O valor da multa por descumprimento à
lei é de R$ 1.253,50, e dobra em caso de reincidência. Na terceira vez, o
estabelecimento é interditado por 48 horas, e na quarta o fechamento é por 30
dias.