Saiba qual alimento é o melhor amigo do coração. Você precisa ter em casa

  • Salvador Netto
  • Publicado em 22 de novembro de 2020 às 17:14
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 09:11
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Comer nozes regularmente pode contribuir para prevenir a ocorrência de inflamações crônicas

O estudo realizado pela organização Walnuts and Healthy Aging (WAHA), publicado no “Journal of the American College of Cardiology”, aponta que indivíduos entre os 60 e 70 anos que ingerem nozes com frequência apresentam um menor risco de sofrer de inflamações ou que estas incidam de forma ligeira, o que significa uma probabilidade menor de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, comparativamente a quem não consome o fruto seco, reporta um artigo publicado na revista “Galileu”.

O estudo realizado por pesquisadores e médicos do Hospital Clínico de Barcelona, na Espanha, em parceria com a Universidade Loma Linda, dos Estados Unidos, examinou mais de 600 idosos saudáveis, que foram divididos em dois grupos. Um dos grupos ingeriu entre 30g e 60g de nozes diariamente e outros não comeram o fruto durante dois anos.

Os idosos que ingeriram nozes registraram, conforme explica a Galileu, resultados anti-inflamatórios significativos na sua saúde. Os seus marcadores inflamatórios na corrente sanguínea apresentaram uma diminuição até 11,5%, incluindo a citocina pró-inflamatória interleucina-1β cuja inativação foi altamente associada a níveis reduzidos de doenças cardíacas.

Emilio Ros, líder do estudo, afirmou: “a inflamação a curto prazo ajuda-nos a curar feridas e a combater infecções, mas a inflamação que persiste com o tempo (crônica) — causada por fatores como dieta inadequada, obesidade, estresse e pressão alta — é prejudicial, principalmente no que diz respeito às doenças cardiovasculares”.

“As nozes têm uma mistura ideal de nutrientes essenciais, como o ácido alfa-linoléico ômega-3, ou ALA (2,5g/oz), e outros componentes altamente bioativos, como os polifenóis, que provavelmente desempenham um papel na ação anti-efeito inflamatório e outros benefícios para a saúde”, disse o especialista.