Papa Francisco diz não à violência e afirma que é hora de remediar

  • Salvador Netto
  • Publicado em 9 de janeiro de 2021 às 19:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

É preciso aprender com a história, diz pontífice em entrevista que será transmitida na noite deste domingo

O papa Francisco diz que ficou estupefato com o ataque de quarta-feira (6) ao Congresso dos Estados Unidos.

Em trechos de uma entrevista à TV italiana Canale 5, que será transmitida domingo (10) à noite, o pontífice afirma que, para entender ,“e não repetir”, é preciso “aprender com a história”.

Os eventos no Capitólio, como é chamado o edifício sede do Legislativo norte-americano, foram uma surpresa para o papa, mesmo que nenhuma sociedade possa se considerar imune à forças subversivas internas.

Na entrevista, Francisco fala sobre o que aconteceu em 6 de janeiro, quando manifestantes pró-Trump atacaram o prédio do Congresso.

“Fiquei estupefato, porque se trata de um povo disciplinado na democracia”, comenta o papa, ao ressaltar que, mesmo “nas realidades mais maduras há sempre algo que não funciona”, há pessoas “que tomam um caminho contra a comunidade, contra a democracia, contra o bem comum”.

“A violência certamente deve ser condenada”, prossegue o papa. “Este movimento deve ser condenado, independentemente das pessoas”.

“Nenhum povo pode gabar-se de não ter tido um dia, um caso de violência”. Portanto, é uma questão de “entender bem para não repetir e aprender com as lições da história”.

Em todo caso, explica Francisco, a compreensão é fundamental “porque assim se pode remediar”.

Na quarta-feira, simpatizantes do presidente Donald Trump entraram em confronto com as autoridades e invadiram o Capitólio, em Washington, enquanto os membros do Congresso estavam reunidos para formalizar a vitória do presidente eleito, Joe Biden.

Pelo menos cinco pessoas morreram, entre as quais quatro manifestantes e um policial, que ficou ferido durante o confronto.

A noticia é da Agência Brasil, com informações da RTP e Vatican News