Fim de Ano: deixar o apartamento vazio exige cuidados com a segurança

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 28 de dezembro de 2020 às 13:24
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 12:52
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Um dos maiores problemas em condomínios durante a ausência dos moradores envolve incêndios

Em anos anteriores, era comum ver pessoas viajando durante o período de férias e de festas. 

Com a pandemia, a recomendação é reunir apenas quem mora na mesma casa. 

Se a comemoração for feita em outro lugar, é importante se atentar para a segurança do apartamento antes de sair.

Segundo o diretor comercial do Grupo GR, Ricardo Franco, um dos maiores problemas em condomínios durante a ausência dos moradores envolve incêndios. 

Ele recomenda manter aparelhos elétricos fora da tomada, exceto geladeira, e se certificar de que todos os espaços da unidade estejam fechados.

Ainda entre os cuidados dentro do imóvel, o advogado Thiago Badaró sugere desligar registros de gás e de água, para evitar vazamentos. 

Se não tiver um cofre, é recomendado espalhar objetos de valor pela casa, em locais de difícil acesso. 

Outra possibilidade para reforçar a segurança é instalar equipamentos como câmeras de vigilância com sensor de movimento.

O advogado Alexandre Callé reforça a importância de manter telefones e e-mails de contato atualizados no condomínio ao longo do ano. 

Além disso, ele aconselha que a administração predial reforce os cuidados entre os funcionários para identificar quem entra e sai do prédio.

Badaró destaca que animais de estimação não podem ficar sozinhos por dias, abandoná-los é crime. 

Se não for possível levá-los na viagem, é recomendado deixar com alguém de confiança ou em hotéis específicos para animais durante a ausência de seus tutores. 

Callé acrescenta que donos de peixes podem instalar um alimentador automático no aquário.

Os especialistas não recomendam contar a todos que ficará fora, nem deixar a chave do imóvel com pessoas que não sejam da confiança dos moradores. 

“Imagine que ela esqueça a porta aberta”, exemplifica Callé. Para ele, além da discrição sobre a viagem, o ideal é evitar visitas durante a ausência. 

Se for realmente necessário, Franco sugere escolher alguém de confiança e fazer uma autorização prévia de entrada no prédio. 

Em caso de ocorrências, como furtos, os advogados explicam que o morador pode procurar o síndico e, se for o caso, recorrer à polícia e registrar boletim de ocorrência.

Segundo os advogados, o condomínio não tem responsabilidade por roubos e furtos, a não ser que seja comprovado que o fato aconteceu por uma falha na segurança do prédio. 

Badaró explica que, dependendo da situação, a cobrança pode ser estendida para a empresa terceirizada.

*Conteúdo FOLHAPRESS