Fábricas de calçados apostam em vendas para a Colômbia para alavancar os negócios

  • Roberto Pascoal
  • Publicado em 20 de junho de 2024 às 15:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Missão Colômbia, que será realizada este mês, é vista com muita expectativa

Com um Produto Interno Bruto (PIB) que deve crescer 1,1% em 2024 e outros 2,5% em 2025, conforme projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), a Colômbia vem se destacando como um dos principais destinos dos calçados brasileiros no exterior.

Durante a manhã do último dia 11 de junho, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) realizou um seminário on-line preparatório para a Missão Colômbia, iniciativa da entidade por meio do Brazilian Footwear, programa mantido em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil). No evento, especialistas brasileiros e colombianos destacaram números e projeções do mercado local.

A coordenadora de Inteligência de Mercado da Abicalçados, Priscila Linck, iniciou o evento trazendo números do mercado, que vem crescendo baseado no consumo doméstico.

“A Colômbia vem crescendo nos últimos dois trimestre registrados, na casa de 1%. O consumo das famílias tem alavancado esse crescimento, já que teve um incremento de 0,7% no período”, disse.

Produzindo 54 milhões de pares de calçados por ano, o mercado colombiano é dependente das importações de calçados e tem no Brasil o seu segundo maior fornecedor internacional, atrás apenas da China. O market share de ambos é de 24,6% e de 49,4%, respectivamente.

Bilhões de pares

“A Colômbia tem um consumo interno de mais de 90 milhões de pares, o que demonstra a importância das importações para o seu abastecimento”, frisou Priscila, ressaltando que o varejo de moda vem em crescimento naquele país. Em 2023, conforme dados oficiais, foram gastos com calçados US$ 848 milhões, número que, mesmo 3% menor do que o registro de 2022, está 21% à frente dos registros da pré-pandemia, em 2019.

Brasil está em ascensão

Priscila destacou, ainda, que o Brasil vem crescendo em participação no mercado colombiano e que existe espaço para crescimento ainda mais robusto, especialmente de produtos de maior valor agregado.

“Desde 2019, ganhamos cinco pontos percentuais no mercado colombiano, mais do que os países asiáticos, por exemplo. Por outro lado, é importante frisar que a nossa pauta é baseada em produtos de plástico ou chinelos e que existe um grande mercado consumidor de calçados de couros e maior valor agregado”, comentou.

Conforme dados da Abicalçados, entre janeiro e maio, foram exportados para a Colômbia mais de 4 milhões de pares, 3% menos do que no mesmo período de 2023. Já o preço médio do calçado brasileiro exportado para lá é de menos de US$ 4, enquanto a média do preço dos calçados importados na Colômbia é de cerca de US$ 12.

Vantagens do mercado

Com acordos comerciais de desgravação tributária para calçados brasileiros (tarifa 0%), o mercado colombiano tem potencial para absorver mais produtos brasileiros. Na segunda parte do seminário, o gerente geral da ApexBrasil nos mercados da América do Sul, Cuba e Panamá, Marcelo de Moraes Martins, destacou as vantagens do mercado local.

“Lógico, existem muitas choradeiras por preços, já que a Colômbia vem de uma desvalorização da sua moeda, pedidos por prazos de pagamentos etc, mas também é um mercado muito forte e que gosta muito do nosso produto. Eles enxergam, sobretudo, o calçado brasileiro como sinônimo de qualidade, durabilidade e design, sendo esses diferenciais ante a Ásia”, contou Marcelo, que vive em Bogotá.

Produtos da moda

Nas apresentações finais do evento, a diretora do Observatório de Moda Raddar, Camila Ortiz Gomes, falou sobre o consumo local de produtos de moda. Segundo ela, mesmo com instabilidade econômica, a moda movimenta cifras importantes na Colômbia.

“Temos uma demanda interna enfraquecida pela inflação e pela desvalorização da nossa moeda, mas ainda é um mercado muito relevante”, destacou Camila, acrescentando que vem aumentando a venda de calçados de maior valor agregado. Em 2010, a fatia vendida de produtos premium era de 9,64%, número que saltou para 23,27% em 2023.

Na última parte do seminário, participaram como convidados John Jaime Riveros, diretor de compras do grupo Cueros Velez, e Claudia Patricia Henau, gerente geral da Manufacturas Infantiles. Os compradores destacaram a importância do calçado brasileiro nos seus negócios e confirmaram suas participações no showroom que será realizado durante a Missão Colômbia.

Missão Colômbia

O evento foi a introdução da Missão Colômbia, que acontece entre 25 e 27 de junho e, além do seminário preparatório, terá showroom com as 34 marcas brasileiras participantes em Bogotá e Photocall com a imprensa colombiana.

Participam da Missão Comercial as marcas 365 Soft, Actvitta, Adrun, Arezzo, Beira Rio, BR Sport, By Cool, Coca-cola, Diversão, Giulia Domna, Gricci, Itweens, Jotape, Kids & Baby, Luiza Barcelos, Modare Ultraconforto, Moleca, Molekinha, Molekinho, Nesk, Novopé, Pampili, Pé com Pé, Petite Jolie, PG4 Galleria, Polo Go, Scatamacchia, Schutz, Smidt Shoes, Solis Brasil, Tropical Brasil, Vitzi, Vizzano e Wiki.


+ Calçados