Formula Chopp

Engenheira consegue transformar plástico em tijolo mais resistente que concreto

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 7 de fevereiro de 2021 às 11:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Engenheira queniana está produzindo tijolos resistentes, sustentáveis e de baixo custo a partir de resíduos de plásticos reciclados e areia

 

Engenheira consegue transformar plástico em tijolo mais resistente que o concretoEngenheira consegue transformar plástico em tijolo mais resistente que o concreto

 

Uma engenheira queniana está produzindo tijolos resistentes, sustentáveis e de baixo custo a partir de resíduos de plásticos reciclados e areia.

Nzambi Matee abriu uma fábrica em Nairóbi, que produz cerca de 1.500 tijolos todos os dias, em diferentes tamanhos e cores.

“Nosso produto é quase cinco a sete vezes mais resistente que o concreto”, disse Matee, fundadora da Gjenge Maker.
Matee montou sua fábrica depois que ficou sem paciência esperando que o governo resolvesse o problema da poluição do plástico.

“Há aquele lixo que eles não podem mais processar; eles não podem reciclar. É isso que recebemos ”, explica.

O lixo vem das fábricas de embalagens gratuitamente, embora pague pelo plástico que obtém de outros recicladores.

Como foi feito

Os tijolos são feitos a partir de uma mistura de diferentes tipos de plástico.

São polietileno de alta densidade, usados ​​em frascos de leite e xampu; polietileno de baixa densidade, muitas vezes usado para sacos de cerais ou sanduíches; e polipropileno, usado em cordas, tampas flip-top e baldes.

Mas ela não trabalha com tereftalato de polietileno, os chamados PET, usados ​​em garrafas plásticas.

Os resíduos plásticos são misturados à areia, aquecidos e depois comprimidos em tijolos, que são vendidos a preços variados, dependendo da espessura e da cor.

Os tijolos cinza, comuns, custam 850 xelins quenianos, cerca de 40 reais, por metro quadrado, por exemplo.

Matee também projetou suas próprias máquinas.

Ela conta que a fábrica reciclou 20 toneladas de resíduos de plástico desde sua fundação em 2017.

Agora, a queniana planeja adicionar outra linha de produção maior, que pode triplicar a capacidade até o final do ano.

*Informações Só Notícia Boa