Em Franca, grávidas se aglomeram sem proteção em prédio da Prefeitura

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 23 de abril de 2020 às 12:16
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 20:38
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Pacientes foram acomodados em cadeiras sem distanciamento mínimo para evitar infecção do coronavírus

Imagens gravadas na última quarta-feira, 22, no prédio da Secretaria da Saúde de Franca, mostram vários pacientes, a maioria gestantes, um ao lado um do outro, quando a recomendação das próprias autoridades é manter distância para evitar a infecção pelo novo coronavírus.

O vídeo foi feito pela manicure Cleusa Aparecida da Silva. 

Ela acompanhava a filha Adriana, que está grávida de gêmeos e é diabética, para um exame no Centro de Diagnóstico por Imagem, e criticou a falta de cuidado da Prefeitura.

Desde o início de abril, o Ministério da Saúde incluiu grávidas e parturientes no grupo de risco para a Covid-19.

“Todo mundo junto e aglomerado. Cadê essa lei de quarentena? Não vale para todo mundo? A gente anda na rua e exigem da gente. Vai no mercado, vai na lotérica, me exigiram um metro de distância”, diz Cleusa.

Cleusa acompanhava a filha que espera gêmeos e é diabética

Mau exemplo

Segundo a manicure, além de esperar em uma sala cheia, Adriana enfrentou uma demora de três horas para fazer o exame. 

“Eu acho que teria que ser cumprida a lei. Como é Secretaria da Saúde, é municipal, é da prefeitura, teria que dar o exemplo”, afirma.

Desde que os primeiros casos de Covid-19 foram confirmados no Brasil, Franca adotou medidas como o fechamento do comércio não essencial para tentar barrar o avanço da doença no município. 

Também recomendou o distanciamento social para os moradores e o isolamento.

A orientação é para evitar aglomerações, principalmente em locais fechados como é o caso da Secretaria da Saúde, onde funciona o Centro de Diagnóstico por Imagem.

Ao ver as imagens, a médica imunologista Gizele Ferreira Cunha chamou atenção ainda sobre a falta de máscaras em parte das pessoas que aguardavam atendimento.

Espaço necessário

O coordenador de Políticas de Saúde da Prefeitura, Luís Carlos Vergara, disse que o feriadão de Tiradentes acumulou os exames. 

“Como o serviço ficou dois dias fechado, houve um aumento muito grande na quarta-feira de pessoas procurando agendamento.”

Vergara afirmou ainda que havia espaço para todas as grávidas esperarem sem aglomeração.

“Há bancos suficientes para as pessoas se distanciarem um pouco mais uma da outra. Mas é cultural. Vem a mulher, o esposo e um filho, e vão ficar juntos conversando, discutindo o seu dia a dia. Nesse momento, isso não é o melhor para a população e para as pessoas, que deveriam respeitar o distanciamento.”