Conselho Regional de Farmácia pede suspensão da abertura de novos cursos

  • Entre linhas
  • Publicado em 22 de novembro de 2017 às 09:27
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 18:27
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

No Brasil são abertos todos os anos mais de 130 mil vagas de graduação em Farmácia, inclusive à distância

​O Conselho
Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF-SP) enviará, na próxima
semana, um ofício ao Ministério da Educação (MEC) solicitando a implantação de
uma moratória que proíba a abertura de novos cursos de Farmácia no Estado pelo
período de cinco anos. A medida se assemelha à moratória prevista para ser
assinada pelo presidente Michel Temer até o fim do ano e que suspenderá a
abertura de cursos de Medicina por cinco anos. O CRF-SP pretende também fazer
outras ações exigindo tratamento isonômico para os cursos da área de Saúde.

No Brasil
são abertos todos os anos mais de 130 mil vagas de graduação em Farmácia (97
mil presenciais e 36 mil em EaD já autorizadas), quantidade já considerada
exagerada pelos especialistas. Além disso muitos cursos funcionam de forma
precária e não têm a qualidade necessária para a formação de um profissional de
saúde. Se não bastasse a grave situação em que se encontra a formação
presencial, o MEC autorizou este ano a abertura de 528 mil vagas de cursos na
área de saúde em formato exclusivamente à distância, dessas vagas, 36.269 são
para a área de Farmácia.

O presidente
do CRF-SP, Pedro Eduardo Menegasso, destaca que a abertura indiscriminada e
a falta de fiscalização dos cursos de Farmácia, em relação à qualidade e à
ausência de estrutura mínima, já resultam em constantes problemas para a
Entidade, que tem a atribuição de zelar pelo exercício da profissão.
“Medicina não é o único curso na área de saúde que tem problemas com a
qualidade na formação de profissionais, isso também ocorre com o curso de
Farmácia. É absurda a falta de isonomia do MEC quando se compara o tratamento
dispensado pelo Órgão aos cursos de Medicina e Farmácia, sendo que ambos formam
profissionais de saúde que se responsabilizam por vidas humanas. É inaceitável
que o MEC continue autorizando o funcionamento de cursos de Farmácia sem
qualidade e ainda liberando cursos com formação exclusivamente à distância.
Tomaremos todas as medidas necessárias para impedir que absurdos como esses
continuem a ocorrer”.

Sobre o
CRF-SP

Entidade
responsável pela fiscalização e habilitação legal do farmacêutico para o
exercício de suas atividades no estado, o CRF-SP tem como missão ser referência
na orientação, fiscalização e desenvolvimento do farmacêutico para o ético exercício
da profissão e garantir atendimento confiável e de qualidade à sociedade.