Formula Chopp

O que está impedindo o dólar de ficar abaixo de R$ 5. A explicação dos economistas

  • Cláudia Canelli
  • Publicado em 19 de abril de 2021 às 15:30
  • Modificado em 19 de abril de 2021 às 18:26
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Os economistas estão tendo dificuldade em medir o impacto do risco do comportamento das contas públicas, porque tradicionalmente ele deveria estar aparecendo no risco soberano País

A combinação perversa de três riscos – fiscal, político e da condução da crise sanitária da pandemia da covid-19, está por trás do patamar elevado do dólar do Brasil, que não cede apesar da maré favorável para o fortalecimento do real frente à moeda norte-americana.

Na virada do ano, a expectativa de muitos craques do mercado era de que a perspectiva do início do ciclo de alta de juros pelo Banco Central (BC) e o boom de alta de commodities (produtos básicos, como petróleo, grãos e minério de ferro) contribuiria para a valorização da moeda brasileira. Mas esse movimento não aconteceu.

Economistas ouvidos pelo Estadão apontam que o dólar poderia estar abaixo de R$ 5 se não fosse o “caldo” de incertezas que rondam a economia brasileira em 2021. Na sexta-feira, a moeda americana fechou em torno de R$ 5,60, no oficial.

Tem algo diferente no Brasil: sobra dólares e nem assim o valor da moeda americana cai. Isso é novo.

O temor desses riscos também deve estar por trás da decisão dos exportadores brasileiros em deixar parte dos dólares obtidos com a venda dos seus produtos fora do País.

Estratégia que é legal, mas que tem sido acompanhada com atenção pelos especialistas para entender o seu impacto no comportamento da taxa de câmbio no Brasil.

Estima-se no mercado que os exportadores têm pelo menos US$ 40 bilhões de receitas de exportação que não foram trazidas para o Brasil.

Se esse dinheiro tivesse entrado no País, o dólar deveria estar mais baixo. O saldo comercial é grande, mas o saldo de compra e venda de câmbio no mercado é menor.

“Tem muita gente encucada com isso. Eu acho que está associado à incerteza. Melhor deixar lá fora do que trazer para aqui”, avalia o economista e consultor José Roberto Mendonça de Barros, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda.

“O fiscal dá uma incerteza gigante”, diz. Com décadas de experiência em comércio exterior e setor agrícola, José Roberto diz que é a primeira vez no Brasil que o real não se valoriza num cenário de commodities fortes, de alta do saldo da balança comercial e perspectiva de superávit nas contas externas.

Um movimento de valorização do real teria que ter reduzido em pelo menos R$ 0,20 o dólar, colocando a cotação abaixo de R$ 5,50, segundo ele.

Dois fatores podem dar algum alívio a uma valorização do real e queda do dólar: o aumento da vacinação para um patamar de 1,5 milhão por dia e a recuperação econômica no segundo semestre.

Mesmo assim, não se espera um recuo do dólar muito maior. A última pesquisa Focus do BC (com uma centena de economistas de instituições financeiras) mostrava o câmbio fechando 2021 em R$ 5,37.

Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central, diz que “o Brasil hoje é um País visto sob o prisma negativo e que “ninguém quer apostar no momento”.

Para o ex-presidente do BC, há um sério risco desse quadro de incerteza emendar em 2022, ano de eleições.

“Se formos para um cenário mais tranquilo do ponto de vista fiscal, o real poderia ficar em torno de R$ 5,50 e um pouco menos até. Com a incerteza política, não faço essa aposta”, prevê.


+ Economia