Pesquisadores treinam, com sucesso, cães para farejar coronavírus

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 12 de dezembro de 2020 às 21:24
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 11:21
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Cientistas ensinaram animais a identificar amostras de suor de pessoas infectadas

Cientistas da França e do Líbano conseguiram treinar seis cães farejadores para identificar o coronavírus em amostras de suor de pessoas infectadas. 

Publicado na revista científica PLOS One, o estudo mostra que, após algumas semanas de treinamento, os animais foram capazes de identificar corretamente as amostras com uma taxa de sucesso entre 76% e 100%.

Com cerca de 300 milhões de receptores olfativos (contra 6 milhões dos humanos), os cães conseguem reconhecer cheiros muito sutis. 

A teoria dos pesquisadores é que o Sars-CoV-2 quebra moléculas nas células que exalam um odor particular, como acontece com alguns tipos de câncer que também são detectáveis por cachorros.

Foram usadas 177 amostras de pacientes de cinco hospitais nos dois países, sendo que metade correspondia a pessoas infectadas, e metade, não.

Há várias iniciativas que tentam ensinar cachorros a identificar o cheiro de pacientes com coronavírus. 

O objetivo é que, em breve, eles sejam usados para reconhecer infectados em multidões, como em aeroportos ou centros comerciais, evitando a possibilidade de transmissão.

Os responsáveis pelo levantamento apontam que ainda é importante aprofundar a pesquisa porque não foi feito em método duplo-cego, com placebos, como requer o padrão ouro dos estudos científicos. 

Apenas depois de experimentos assim, será possível descobrir se os cães apenas memorizaram o cheiro das amostras ou se realmente identificaram o odor.

*Informações Metrópoles