Papa madruga para rezar sozinho diante de imagem da Virgem Maria em Roma

  • Salvador Netto
  • Publicado em 8 de dezembro de 2020 às 18:41
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 10:52
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Ele rezou por todos os que em Roma e no mundo ‘estão afetados pela doença e pelo desânimo’

Papa em frente à coluna da Imaculada Conceição, em Roma, por volta das 7h

O Papa Francisco evitou as multidões e compareceu, antes do amanhecer, a uma praça do centro de Roma para fazer uma oferenda de flores e rezar diante da imagem da Virgem Maria por causa do dia da Imaculada Conceição, nesta terça-feira.

Já ao meio-dia, de uma janela do palácio apostólico, o papa explicou que sua saída matinal foi para “evitar o risco das multidões”, uma norma das autoridades “que é preciso obedecer”. As informações são do jornal “Extra”, do Rio de Janeiro, citando a agência AFP.

Sob uma forte chuva, o pontífice compareceu às 7 da manhã à Praça da Espanha, onde depositou rosas brancas ao pé da coluna da Imaculada Conceição, coroada por uma estátua de bronze da Virgem Maria.

Segundo um comunicado do Vaticano, ele rezou por todos os que em Roma e no mundo “estão afetados pela doença e pelo desânimo”.

Todo 8 de dezembro desde meados do século passado, a data é celebrada pelos romanos. Neste ano, a celebração foi reduzida devido à pandemia do coronavírus, que já deixou mais de 60 mil mortos na Itália.

Os bombeiros de Roma também fazem uma oferenda à Virgem Maria nesta data e colocam um ramo de flores, com a ajuda de um guindaste, nos braços da estátua da praça da Espanha. Nesta terça-feira, eles ficaram surpresos ao encontrar o Papa chegando em um carro pequeno para rezar diante da estátua, segundo disseram no Twitter.

Também nesta terça-feira o Papa instituiu o Ano de São José, esposa de Maria, para celebrar os 150 anos em que o ele foi declarado padroeiro da Igreja Católica. 

Em uma carta apostólica, explica que a pandemia mostrou a importância das pessoas “simples”, como era José, “um homem que passou despercebido, um homem de presença diária, discreta e escondida”.

Mais uma vez, o Papa expressou seu agradecimento aos “médicos, enfermeiras e enfermeiros, funcionáros de supermercado, equipes de limpeza, motoristas, forças de ordem, padres, religiosas e tantos outros que entenderam que ninguém se salva sozinho” e “estão escrevendo hoje acontecimentos decisivos de nossa história”.