Formula Chopp

Em Franca, 3 da mesma família são infectados por covid-19 e idoso acaba morrendo

  • Nina Ribeiro
  • Publicado em 14 de abril de 2021 às 22:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Pai, mãe, marido e filha da depiladora Mirela Machado foram contaminados. Infectologista explica que, mesmo em família, distanciamento é necessário para evitar infecções

Eurípedes dos Reis, 69, faleceu no último domingo, vítima do novo coronavírus

 

Um casal de idosos, um homem e uma jovem grávida da mesma família foram infectados pela Covid-19 em Franca.

O idoso, de 69 anos, morreu por complicações da doença. Sua filha, a depiladora Milara Machado, escapou do vírus, mas sofreu os impactos psicológicos de ver os familiares adoecerem.

“Justamente quando saiu a vacina, no dia da minha mãe e do meu pai tomarem, os dois já estavam gripados e um médico me aconselhou a não dar a vacina”, relembra Milara.

Milara acredita que o pai, Eurípedes dos Reis, e a mãe, Odete Maria, foram os primeiros infectados, já que o casal frequentava hospitais com frequência para tratar doenças cardiológicas.

Eles testaram positivo para Covid-19 e, dias depois, sua filha e seu marido também receberam o diagnóstico.

“Creio eu que veio do meu pai e da minha mãe, porque eles ficaram doentes primeiro. Os dois são cardiopatas e meu pai tratava dos rins também”.

“Meu marido fez o teste, ele estava infectado, e depois minha filha também fez e deu. Eu paguei dois exames e fiz, mas deram negativo”, conta.

Eurípedes e Odete precisaram ser internados devido ao agravamento da doença. Ela ficou cinco dias na enfermaria e teve alta.

Ele, porém, precisou ser levado para Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e, após oito dias de tratamento, morreu no último domingo (11).

Contágio em família

O médico infectologista Rubens Pereira dos Santos afirma que a contaminação por Covid-19 dentro de uma mesma família ocorrem devido ao relaxamento das medidas sanitárias criadas para barrar o avanço do vírus.

“Dentro das casas, as pessoas acabam abaixando a guarda”.

“Um, dois, três dias antes dos sintomas, a pessoa já está transmitindo, e muitas vezes as pessoas não utilizam máscaras em casa, sentam muito próximas para conversar, e muitas vezes em ambiente fechado, o que facilita muito a transmissão”, explica.

Ainda segundo o infectologista, o uso de máscaras e de álcool em gel, além do distanciamento social, continuam indispensáveis mesmo dentro de ambientes familiares, principalmente quando não é possível evitar o contato.

“Toda vez que um familiar estiver com suspeita, no menor sinal que seja, o ideal é ficar em quarto separado, usar banheiro separado, evitar sentar próximo ao outro e ficar de máscara”, orienta.

*Informações G1


+ Cotidiano