Formula Chopp

Se disseminação continuar nas taxas atuais, pandemia poderá durar anos, diz Opas

  • Teo Barbosa
  • Publicado em 12 de junho de 2021 às 11:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Organização Pan-Americana da Saúde solicitou aos países que compartilhem doses excedentes de vacina contra a covid-19

O surgimento de novas variantes mais transmissíveis adicionou novas complexidades à vigilância epidemiológica

Se a disseminação da covid-19 continuar nas taxas atuais, levará anos até que o vírus seja controlado nas Américas, disse a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), ao solicitar aos países que compartilhem doses excedentes de vacina contra a covid-19.

Houve quase 1,2 milhão de novos casos e 34 mil mortes na região na semana passada, e quatro dos cinco países com o maior número de mortes em todo o mundo estão nas Américas, disse a diretora da Opas, Carissa Etienne, durante a coletiva de imprensa semanal da organização.

Anos para controlar

“Se as tendências atuais continuarem, as disparidades de saúde, sociais e econômicas em nossa região crescerão ainda mais e levará anos até controlarmos este vírus nas Américas”, disse Etienne.

As infecções são as mais altas em muitos lugares da região do que em qualquer outro momento da pandemia, acrescentou, e o surgimento de novas variantes mais transmissíveis adicionou novas complexidades à vigilância epidemiológica.

De acordo com notícia publicada no portal Terra, apenas 10% da população da América Latina e do Caribe foi totalmente vacinada, com uma situação particularmente aguda na América Central e no Caribe.

Vacinas

A Opas agradeceu aos Estados Unidos, Espanha e Canadá pelas promessas de financiamento ou doações de milhões de doses de vacina, mas é preciso fazer mais, disse a diretora.

“Esperamos que outros países – especialmente aqueles com doses em excesso – e instituições financeiras globais sigam seus passos para fornecer o apoio de que precisamos”, disse Etienne. “As doações de vacinas são essenciais no curto prazo”.


+ Saúde