Noivo usa atores como família e foge com R$ 2,5 mi da família da vítima

  • Salvador Netto
  • Publicado em 15 de dezembro de 2020 às 18:19
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 11:43
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Os investigadores averiguaram ainda que ele já aplicara golpes em outras mulheres

Um homem de 40 anos foi preso na Coreia do Sul por ter aplicado um golpe contra uma mulher com quem chegou a se casar após um ano de relacionamento, iniciado em setembro de 2019. 

Segundo a delegacia de polícia de Busan, o autor foi localizado na ilha Jeju na última quinta-feira (10) e foi detido sob acusação de fraude.

Duas semanas após a cerimônia, quando o casal registraria a união formalmente, ele fugiu levando 547 milhões de wones (cerca de R$ 2,5 milhões) que havia recebido da família da vítima como investimento para sua suposta empresa.

No entanto, foi posteriormente constatado que o empreendimento em questão não pertencia a ele, nem a sua família. 

Aliás, as pessoas que o homem convidou para o casamento eram, na verdade, atores contratados para agir como se fossem seus parentes e amigos. 

Os investigadores averiguaram ainda que ele já aplicara golpes em outras mulheres contando uma história que ele seria piloto de avião.

A última vítima foi abordada pelo indivíduo em um estacionamento em Busan, onde ele trabalhava, mas contou para a família dela que herdaria aquele espaço. Os pais da mulher confiaram em sua história e lhe ofereceram a quantia milionária como investimento.

Apenas 15 dias após a festa de casamento, o homem saiu de casa alegando que ia andar de bicicleta. Sem conseguir contatar o marido depois disso, a mulher registrou o caso na polícia e descobriu ainda que o apartamento que ela acreditava ser dele tinha na verdade um contrato de aluguel temporário.

“O homem parecia ter abordado a mulher intencionalmente, alegando ser o dono da empresa do prédio do estacionamento. Ele foi preso sob a acusação de fraude por ter cometido os mesmos crimes repetidamente”, afirmou um oficial da polícia de Busan ao portal de notícias “Nate”.