Formula Chopp

Idoso de 80 anos vai de maca ao banco para provar que está vivo e manter sua pensão

  • Teo Barbosa
  • Publicado em 10 de junho de 2021 às 14:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

O Banco do Brasil informou que não deu orientação para que a prova de vida do idoso fosse realizada em alguma de suas agências.

Muitos casos como esse se repetem pelo Brasil na época de fazer prova de vida do INSS

Um idoso de 80 anos precisou ir de maca a uma agência do Banco do Brasil para realizar a prova de vida exigida pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para manter seu benefício de aposentadoria.

Sua família, que pediu para não identificá-lo, contou ao portal G1 que ele teve que realizar a prova de vida presencialmente porque, antes, um parente tentou fazer o procedimento, mas não foi autorizado.

Eles foram informados de que o idoso teria que ir pessoalmente até o local para provar que estava vivo.

De acordo com os familiares do idoso, o banco chegou a disponibilizar uma ambulância para levar o homem, mas ele teve que ir de maca até a porta da agência quando chegou ao local.

Reclamação

“Fazer prova de vida de um idoso acamado durante uma pandemia? Não teria um funcionário capacitado para ir na casa do idoso neste caso específico?”, disseram os familiares.

O idoso possui dificuldades de locomoção e a saúde debilitada desde que sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral), há um ano.

Ele não consegue andar de cadeira de rodas e precisa de cuidados constantes. Com a aposentadoria, ele paga seus remédios, uma cuidadora e uma fisioterapeuta para cuidar dele em casa.

Agendamento

Ao portal G1, o Banco do Brasil informou que não deu orientação para que a prova de vida do idoso fosse realizada em alguma de suas agências.

Disse também que o homem foi levado à agência sem contato prévio e que o INSS oferece opção da prova de vida domiciliar com agendamento por meio de seu site.

O fato aconteceu em Piripiri, a cerca de 160 km de Teresina, no Piauí, na última sexta-feira (4).


+ Cotidiano