De olho! Em novembro você poderá ver planetas, meteoros e eclipse lunar

  • Rosana Ribeiro
  • Publicado em 3 de novembro de 2020 às 01:36
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 07:15
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

O penúltimo mês do ano traz uma boa oportunidade para observar os planetas, aproveite!

O penúltimo mês do ano traz uma boa oportunidade para observar os planetas. 

Logo que a noite cai, já é possível admirar Júpiter e Saturno na direção oeste, e Marte brilhando a leste. 

Antes de amanhecer é a vez de Vênus e Mercúrio aparecerem a leste.

Novembro tem também duas chuvas de meteoros de atividade moderada, mas que podem recompensar os observadores com alguns meteoros brilhantes. 

Fechando o mês, um eclipse lunar penumbral, bastante sutil e que só poderá ser acompanhado parcialmente do Brasil.

CALENDÁRIO CELESTE

DIA 12

Meteoros em Touro​

As partículas de poeira deixadas pelo cometa Encke em seu trajeto ao redor do Sol dão origem a duas chuvas de meteoros este mês. 

A mais intensa é a Taurídeos do Norte, cujo ápice acontece na noite de quarta para quinta-feira. Olhe para o norte a partir da 1h, próximo ao aglomerado de estrelas das Plêiades.

DIA 17

Meteoros em Leão

Os Leonídeos são célebres pelas históricas tempestades de meteoros em 1833, 1866, 1966, 1999 e 2001, quando a Terra interceptou a nuvem de detritos deixada pelo cometa Tempel-Tuttle. 

Nos outros anos, o número de meteoros é bem menor, mas ainda justifica a vigília na alta madrugada. Olhe para o nordeste a partir das 4h, abaixo da estrela Regulus.

DIA 19

Lua entre gigantes​

Assim que escurece, podemos ver Júpiter e Saturno brilhando lado a lado na direção oeste, tendo como pano de fundo a constelação de Sagitário. 

No começo da noite da quinta-feira o par recebe a visita da Lua crescente.

DIA 30

Lua na penumbra

O último eclipse lunar do ano será apenas parcialmente visível do Brasil. 

O fenômeno começa às 4h32 e atinge o auge às 6h42, quando a Lua estará quase inteira na penumbra da Terra. 

A olho nu será perceptível apenas uma pequena diminuição no brilho da Lua.

*Informações Revista Galilleu