Formula Chopp

Tá com sede? Saiba que água é fundamental, mas em excesso pode intoxicar e até matar

  • F. A. Barbosa
  • Publicado em 17 de maio de 2021 às 15:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Isso ocorre por conta de uma doença chamada hiponatremia, que significa, na prática, falta de sal no sangue

Isso ocorre por conta de uma doença chamada hiponatremia, que significa, na prática, falta de sal no sangue

É sabido que todo ser humano necessita de água para sobreviver. Isso porque perdemos líquido a todo instante, principalmente por meio da transpiração e da urina.

Mas é preciso tomar cuidado, pois o consumo excessivo de água em curto espaço de tempo pode intoxicar e até matar uma pessoa.

Isso ocorre por conta de uma doença chamada hiponatremia, que significa, na prática, falta de sal no sangue.

Os sintomas são violentos e ela pode matar até mais rápido que a falta de água propriamente dita. Vão de convulsões, náuseas, fadiga, náuseas e urina em excesso e contínua.

Ela acontece quando o nível de sal no sangue fica abaixo de 135 ml por litro. É a também chamada “intoxicação por água”.

Na prática, a doença ocorre porque os órgãos não conseguem processar a quantidade excessiva de água e o sangue “se encharca”.

Com isso, o líquido vai para as células, que incham para acomodá-lo. As células musculares se adaptam a isso, mas no cérebro os neurônios apertam a caixa craniana e causam edemas e inchaço, com conseqüências como insuficiência respiratória, coma e morte.

Não existe uma fórmula exata para calcular em que quantidade a água se torna letal, mas em média o organismo, em especial os rins, processa de 800ml a um litro por hora.

Ou seja, se a pessoa beber acima de três litros de água em um intervalo menor que três horas, a chance de se intoxicar com o líquido é grande.

“Nada em excesso é bom. É preciso tomar água na medida que o corpo necessita. Como tudo na vida, se o consumo for acima do que a pessoa precisa vai prejudicar”, disse o nutricionista Héder Carvalho.

ÁGUA É FUNDAMENTAL

O risco de ocorrer a intoxicação, porém, não pode levar a pessoa a deixar de beber água. Ela compõe em média 66% do corpo humano e sua falta é muito mais perigosa e fácil de deixar seqüelas que o consumo por excesso.

De acordo com a nutricionista Bruna Salgado, um cálculo que indica a quantidade adequada de água a ser ingerida pode ser feito sem dificuldade por qualquer pessoa.

Basta dividir o peso por 32 e o resultado da conta será o número de litros. Por exemplo, uma pessoa de 96 quilos terá que beber, pelo menos, três litros de água ao longo do dia.


+ Saúde