Formula Chopp

Qual a importância de se fazer exame de urina e que doenças podem ser detectadas

  • Cláudia Canelli
  • Publicado em 15 de maio de 2021 às 22:30
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Confira mais sobre a importância do exame de urina, que deve ser feito de forma regular para descobrir doenças e até prevenir

O exame de urina normalmente é solicitado pelos médicos para identificar alterações no trato urinário e renal.

Mesmo que sua urina esteja com uma aparência considerada normal, pode haver alguma alteração.

Feito por meio da coleta e análise da primeira urina do dia, o exame de urina consegue detectar doenças preexistentes, inclusive em quadros assintomáticos.

Por isso, é um exame que deve ser feito com certa regularidade.

A urina é uma das principais vias de excreção do organismo. Assim, o exame dela pode oferecer informações importantes sobre o estado fisiológico e sobre a presença e evolução de doenças sistêmicas.

Também pode informar sobre o estado funcional dos rins.

A sua realização periódica ajuda o médico a identificar se há algum desequilíbrio no organismo do paciente.

Assim, o exame de urina é fundamental para se fazer diversos diagnósticos,

O portal da revista Seleções, no Brasil, publicou uma matéria dizendo quais doenças podem ser identificadas no exame de urina e como prevenir-se delas.

Infecção urinária

Na maioria das vezes, bactérias externas que chegam à bexiga pela uretra são a causa das infecções urinárias. Gerando ardência e desconforto, nesses casos é necessário realizar um tratamento com antibióticos.

A infecção urinária também pode ocorrer na gravidez, sendo, nesses casos, de suma importância realizar um tratamento eficaz, de modo que a saúde do feto não seja prejudicada.

Cálculos renais

Conhecido popularmente como pedras nos rins, os cálculos renais resultam de depósitos microscópicos na urina que se solidificam com o tempo.

Há muitas causas para sua ocorrência, como a predisposição genética, infecções urinárias, doença renal, desidratação crônica e certos distúrbios metabólicos que afetam a composição da urina.

Você pode adotar algumas medidas práticas para evitar o surgimento de cálculos renais — como ingerir mais água ao longo do dia e apostar em alimentos ricos em cálcio, que ajudam a evitar a formação dos cálculos.

Glomerulopatias

De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia, as glomerulopatias (conhecidas também como glomerulonefrites) são doenças que acometem os glomérulos, estruturas constituídas por um tufo de capilares sanguíneos e outros elementos responsáveis pela ultrafiltração do plasma.

Essas doenças podem ter origem nos rins e acometer apenas esses órgãos, sendo chamadas de primárias, ou podem ser secundárias a outras doenças, como diabetes, hepatites, doenças autoimunes, dentre outras.

Podem se manifestar de forma assintomática ou gerar sintomas urinários, como urina escura e diminuição do volume urinário.

Desidratação

O exame de urina também pode detectar quadros de desidratação. Por meio da análise laboratorial, será identificado o grau de gravidade da desidratação, considerando seu aspecto.

A recomendação de que a pessoa precisa ingerir pelo menos dois litros de água por dia se deve a muitas razões.

Dentre elas, o papel desempenhado pela água no bom funcionamento do intestino, para que as células do corpo trabalhem e produzam energia suficiente para o corpo funcionar e para evitar o surgimento de problemas nas articulações.

Se você tem dificuldades de ingerir água ao longo do dia, aposte em chás de ervas, leite e isotônicos.

No entanto, opte por versões sem açúcar. Evite também a cafeína em excesso, uma vez que ela pode ter um leve efeito diurético e estimular os rins a eliminarem água

 

 


+ Saúde