​PL consegue sobressair historicamente em eleição atípica em Franca

  • Joaquim Felix
  • Publicado em 16 de novembro de 2020 às 12:42
  • Modificado em 11 de janeiro de 2021 às 08:33
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Sem candidato a Prefeito, partido foi o segundo com maior votação em Franca e fez dois vereadores

Franca teve abstenção superior a 94 mil votos e com a pandemia, os eleitores deixaram de comparecer às seções para votar no último domingo (15 de novembro)

O PL – Partido Liberal – que tem a frente a liderança da deputada Delegada Graciela conseguiu um fato inédito: ser o partido com a segunda maior votação na cidade numa eleição atípica. 

Franca teve abstenção superior a 94 mil votos e com a pandemia, os eleitores deixaram de comparecer às seções para votar no último domingo (15 de novembro).

A perda de votos na cidade foi muito alta e os candidatos não souberam trabalhar esses eleitores que estavam indecisos ou deixaram de votar.

Porém, o PL soube tratar o assunto com diferença. Mesmo sem candidato a prefeito, o partido lançou nomes de expressão e surpreendeu com a segunda maior votação. 

O Partido elegeu Carlinhos Petrópolis e Ilton Ferreira, e ainda deixou na suplência Ádamo Alves com expressiva votação mais de 1800 votos. 

GIGANTE  

Na região o PL se fortaleceu com 37 eleitos. Além de vereadores, o partido elegeu 1 prefeito e 3 vices. 

Ainda têm os candidatos a prefeito que “bateram na trave”, que saem da eleição com números maiores que entraram e se consolidam com força política nas suas cidades. 

O partido precisou ser reconstruído em muitos municípios. Foram criados diretórios e escolhidos pessoas que representam a sigla. 

O PL deixou de ser um partido de aluguel, para ser um partido de “verdade”. Ainda estão sendo compilados os dados, mas o PL explodiu em número de votos em comparação a 2016.

A relação custo benefício por voto na região foi extremamente interessante. 

Em Franca, o PL foi o partido que mais fez votos nominais. Na soma com votos de legenda, o partido ficou atrás apenas do MDB, cujo candidato a prefeito carregou na votação de legenda. 

Ao contrário do PL, o partido de Roberto Engler apresentou uma pifia eleição – sem expressão -, e o ex-deputado federal Ubiali sequer foi eleito.