Cuidar da saúde dos funcionários garante melhor produtividade

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 27 de janeiro de 2019 às 21:31
  • Modificado em 29 de outubro de 2020 às 23:47
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Prevenção de riscos e comprometimento têm impacto positivo tanto para a empresa quanto para seus colaboradores

Pesquisa do Serviço
Social da Indústria (SESI), realizada com médias e grandes empresas, apontou
que aplicação de tempo e dinheiro em segurança laboral reduziu o número de
faltas em 48% delas, elevou a produtividade em 43,6% e em 34,8% houve redução
de custos.

O estudo também mostrou
que os aspectos da área da saúde são os que também mais prejudicam a
produtividade das empresas. “Doenças representam diversos problemas às
organizações, que vão desde as altas despesas com custo médico até a perda de
produtividade”, argumenta Luiz Monteiro, presidente da PBMA – Associação Brasileira
das Empresas Operadoras de PBM (Programa de Benefício em Medicamentos).

O comprometimento com a
saúde do trabalhador e a prevenção de riscos provocam impactos positivos, tanto
para a empresa como também para seus colaboradores. “Empresários e funcionários
só têm a ganhar com a gestão de saúde”, garante Monteiro. Por isso que, muito
difundido nos Estado Unidos, aqui no Brasil o número de empresas adeptas ao PBM
vem crescendo. Telefônica, IBM, Caterpillar, Unilever, Arcelor Mital,
Carrefour, Nestlé, Gerdau e Tigre estão entre as grandes companhias brasileiras
que já oferecem Programas de Medicamentos aos funcionários, com subsídios que
podem chegar a até 100% do valor. “Com a facilidade de acesso ao medicamento, o
funcionário tem condição de cuidar melhor da sua saúde”, diz.

O PBM também permite que
as empresas acompanhem se os funcionários estão seguindo corretamente ou não o
tratamento prescrito pelo especialista. “Estudos demonstram que 50% dos doentes
crônicos abandonam o tratamento prescrito muitas vezes pela falta de acesso ao
medicamento e de incentivo para o tratamento. Com o benefício, a chance de
segui-lo é muito maior”, alega Monteiro. 

Levantamento da PBMA indica que no ano
passado o programa foi responsável pela dispensação de mais de 110 milhões de
unidades (caixas) de medicamentos em todo o país. Para este ano, a expectativa
da associação é alcançar um crescimento de aproximadamente 15%.