CEI da Saúde busca Justiça para receber documentos de instituto médico

  • Cesar Colleti
  • Publicado em 26 de outubro de 2015 às 14:22
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 17:29
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

ICV não entregou documentos solicitados por vereadores membros

A CEI (Comissão Especial de Inquérito) que investiga a prestação de serviços médicos nos prontos-socorros municipais pelo ICV (Instituto Ciências da Vida) acionou a empresa judicialmente para que sejam fornecidos diversos documentos necessários para a continuidade e conclusão dos trabalhos da comissão.

Segundo o presidente da comissão, vereador Márcio do Flórida (PT), afirmou que a recusa por parte da empresa motivou a busca da Justiça. “Diante da resistência tomamos essa decisão e ingressamos com os pedidos para que haja a liberação dos documentos e também para a realização de duas oitivas de forma coercitiva, do doutor Reinaldo Letrinta, coordenador do ICV, que é de Sorocaba, e também do doutor Daniel Gutierrez, que é de Campinas e proprietário da Medicina Cambuí. Ambos foram intimados e não vieram à Câmara de Franca”.

A ida do vereador a Sorocaba e Campinas para tomar os depoimentos dos médicos, juntamente dos outros membros da CEI, Delegado Radaeli (PMDB), que é o relator, e Jepy Pereira (PSDB), havendo o aval da Justiça será nos próximos dias três e 11 de novembro. “Doutor Reinaldo fazia a escala e fiscalização dos trabalhos e o doutor Daniel tem uma ligação estranha com o ICV, pois é dono de uma empresa que foi quarteirizada pelo ICV. São portanto oitivas importantes”, disse Márcio.

Segundo o presidente da CEI, não é certo ainda mais é possível que o prazo para conclusão da comissão, de 120 dias, poderá ser prorrogado por até 60 dias, conforme prevê o Regimento Interno. “Se isso for necessário caberá aos vereadores aprovar a prorrogação, mas inicialmente trabalhamos para cumprir com o prazo de quatro meses”, concluiu Márcio do Flórida.