Formula Chopp

Tem condições de apadrinhar uma criança carente? Veja aqui como participar

  • Joao Batista Freitas
  • Publicado em 23 de fevereiro de 2021 às 19:00
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Na iniciativa inédita, as próprias crianças escolhem seus padrinhos e madrinhas, que contribuem mensalmente com doações

A organização não governamental (ONG) Visão Mundial lançou nesta terça-feira  (23) um programa de apadrinhamento de crianças inédito do Brasil.

Na iniciativa, chamada de Escolhido, as próprias crianças escolhem seus padrinhos e madrinhas, que contribuem mensalmente com doações revertidas para os programas e projetos dos quais essas crianças participam.

A ideia é tornar a criança protagonista da ação e fazer com que a experiência seja mútua. As informações são da repórter Flávia Albuquerque, da Agência Brasil.

A ação começa com os interessados em apadrinhar se inscrevendo para serem escolhidas e mandando suas fotos.

As fotos são enviadas para uma comunidade onde a ONG atua e, durante um evento, ficam expostas em um varal para que as crianças conheçam e escolham o padrinho ou madrinha.

Depois, os escolhidos recebem uma foto da criança segurando sua foto e uma carta escrita pela própria criança, com informações sobre ela e as motivações da escolha.

“Pode apadrinhar qualquer pessoa que queira doar e garantir que essa criança e a comunidade em que ela vive tenha nosso trabalho, medidas de proteção e participação nas atividades que propomos, para atingir as metas de transformação que definimos”, explicou a coordenadora de captação da Visão Mundial, Raíssa Gascon.

Ela adianta que “a doação é mensal porque é um programa contínuo e pode ser a partir de R$ 60,00. Se a pessoa quiser ser escolhida por mais de uma criança pode fazer mais de uma doação”.

Políticas de proteção

Não há pré-seleção dos doadores, mas a ONG tem políticas de proteção para as crianças, além de intermediar a relação entre as duas partes, que podem trocar cartas.

Todas as correspondências são lidas antes de chegar às crianças e aos patrocinadores, que também recebem relatórios sobre o projeto e sobre a evolução do apadrinhado.

“Há algumas datas especiais em que eles podem trocar cartas, enviar um presente que também é tabulado e sugerido por nós, e há a opção de conhecer essa criança em um evento que chamamos de encontro anual. O encontro é super cuidado para que os padrinhos façam a visita. Não há possibilidade de contactar essa criança sem nosso intermédio”, disse Raíssa.

Para a coordenadora, o sistema de apadrinhamento permite que as duas partes envolvidas estejam mais conectadas e presentes.

Além disso, Raíssa destacou que o programa é pautado na transformação mútua, com a criança alterando toda a comunidade onde vive.

“Os padrinhos comentam mais sobre a alegria de serem escolhidos. As crianças comentam que se sentem muito especiais por escolherem. Hoje eles tem mais interesse de manter contato com o padrinho, de enviar as cartas. Acreditamos que as duas partes envolvidas estão mudando”, afirmou.

A campanha da ONG já foi feita nos Estados Unidos, no Canadá, Reino Unido e na Austrália.

Para participar no Brasil basta visitar o site http://visaomundial.org/escolhido e fazer a inscrição.

Pelo menos mil crianças de até 12 anos, de um projeto parceiro da organização em Fortaleza já estão disponíveis para participar e aguardando para escolher um padrinho ou madrinha.

Raíssa explicou ainda que a Visão Mundial prepara um plano desenvolvimento para as crianças que estão para completar 12 anos, e assim deixarem de participar do projeto.

“Elas saem das atividades, mas fazemos um acompanhamento antes para que continuem com perspectivas e objetivos”.


+ Ação Social