HISTÓRIAS DA MÚSICA BRASILEIRA

  • mmargoliner
  • Publicado em 9 de janeiro de 2016 às 08:45
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

ADONIRAN BARBOSA – A VOZ DO SAMBA PAULISTANO

Gravada e regravada pelo menos umas 20 vezes (não pesquisei, tô chutando) , de Elis Regina a Maria Gadú, passando por Zeca Pagodinho e Os Originais do Samba, sem contarmos uma versão italiana que conheço com Riccardo Del Turco, “Trem das Onze” é o maior sucesso dos “Demônios da Garoa” e, talvez, o mais popular dos sambas escritos em São Paulo. Todo mundo, velho ou novo, sabe, ao menos, um trechinho : “Não posso ficar nem mais um minuto com vocêêê…” Verdade ou mentira ¿ Bem, quem assina a obra é Adoniran Barbosa, que, também, gravou a história do filho único que mora em Jaçanã.  E sabe quem foi ele ¿

Seu verdadeiro nome era João Rubinato, filho de imigrantes italianos vindos de Veneza,  nascido em Valinhos(SP) em 6 de agosto de 1910 e falecido em São Paulo no dia 23 de novembro de 1982. Aliás, nasceu mesmo em 1912. Como precisava trabalhar e na época menor de 12 anos não podia fazê-lo, a família resolveu falsificar seu registro de nascimento quando ele tinha 10 anos.

Ajudou o pai em serviços de cargas de vagões na estação ferroviária de Jundiaí, foi entregador de marmitas e varredor em fábricas da cidade. Foi ainda  tecelão, pintor de parede, mascate, encanador, serralheiro, garçon, ajustador mecânico e vendedor, já morando em São Paulo.

Começou a compor aos 22 anos, enquanto corria  atrás do sonho de ser ator de teatro, sem sucesso. Mas conseguiu ser radioator, cantor e animador, além de participar como convidado em vários filmes.

Falando em rádio, lembro-me como se fosse hoje, de meu pai ouvindo um programa humorístico na Rádio Record de São Paulo chamado “Histórias das Malocas”, no qual o personagem principal era o “Charutinho”, vivido por Adoniran. Eu “rachava” de rir com o tal ! Ficou no ar até 1965.

Bem, mas como compositor Adoniran se realizou. Aproveitando-se da linguagem e do ritmo da fala popular paulistana, criou um estilo próprio de escrever, talvez até na contramão da própria história do samba, até então, marcado por características tipicamente cariocas. Narrativas do cotidiano, quase crônicas, ora satíricas, ora carregadas de lamento, tornam-se sua marca registrada.

E então surgem : Saudosa Maloca, Iracema, Samba do Arnesto, Tiro ao Álvaro, As Mariposa, Apaga o Fogo Mané e até uma parceria romântica com Vinícius de Morais, Bom Dia, Tristeza.

E…Trem das Onze. Esta, por ironia do destino, sagrou-se campeã do Concurso de Músicas Carnavalescas, no 4º centenário de fundação do Rio de Janeiro.

Adoniran só gravou seu primeiro disco individual, um LP, em 1973. No total foram três.

O grande representante da música popular paulistana mereceu algumas homenagens na capital paulista, como um museu , na Rua XV de Novembro 347, um busto na Praça Dom Orione, no Bixiga e virou nome de escola, bar, praça e de um albergue de desportistas no Ibirapuera.

No bairro de Jaçanã há uma rua com o nome de Trem das Onze.

ELVIS AARON PRESLEY


Tido e havido como o “Rei do Rock”, Elvis Presley  teria completado 81 anos nesta sexta-feira 8 de janeiro. Nasceu em 1935 e começou a entoar suas primeiras frases musicais no coral da Igreja Pentecostal da cidade de Memphis, estado do Tennessee, EUA, onde passou sua adolescência.

Como o Rei do Rock, os primeiros passos foram dados em 1953, ao ser  descoberto por Sam Phillipps, produtor musical da Memphis Recording Service. A partir disso, Elvis decolou para o sucesso e emplacou dezenas de singles, além de estrelar 33 filmes. Durante a década de 1970, o astro  passou por sérios problemas de saúde, como a obesidade e o vício em remédios controlados. Isso gerou uma diminuída em suas aparições em público, sem, entretanto,  nunca abandonar os palcos. Faleceu em 16 de agosto de 1977 em sua casa no Tennesse, um mês depois de seu último show realizado. A causa divulgada da morte foi um ataque cardíaco.

TEM  GENTE BOA NA NOITE DE FRANCA !

Eu a conheci há um bocado de tempo , quando fazia dupla com seu irmão Ângelo, hoje brilhando, literalmente, em praias do Nordeste. Atua em Natal, Rio Grande do Norte e logo vou falar dele por aqui. Juntos, eles estiveram no meu programa de TV. Um brilho só!

Mas hoje eu presto minha homenagem a ela, minha querida Desirê, estrela absoluta da noite francana. E de outras praças! Onde quer que seja que se apresente, impressiona pelos dotes musicais, cantando e tocando pandeiro como nunca vi e cativando com sua simpatia, personalidade, versatilidade e carisma. Tanto é que tem fã-clube fiel sempre marcando presença

Desirê Singer se faz acompanhar pelos meus queridos Rodrigo Nunes ao violão e vocal e Evandro Veronez na percussão.

Tô sempre na cola!

Beny Chagas com Desirê Singer, Rodrigo Nunes e Evandro Veronez

BENY CHAGAS MUSIC SHOW

Um pouco de blues, um pouco de soul, de bossa, R&B, jazz…

Neste domingo dia 10 e reprise no sábado dia 16, ESPECIAL NATALIE COLE.

Sábado às 9h e domingo às 10 da manhã na Mais Brasil FM-Franca–SP-101,3 Mhz.

Sábado às 11h e domingo ao meio-dia em www.francanoticias.com.br.

Sábado e domingo às 11 da manhã em www.radionovaip.com.br-Ribeirão Preto-SP.

Sábado e domingo às 20h em www.ponto1000.com – Ribeirão Preto-SP.

Aguarde mais endereços. Não abro mão de você.

*Esta coluna é semanal e atualizada aos domingos.