Exportadores de calçados otimistas com presidente eleito da Argentina

  • mmargoliner
  • Publicado em 23 de novembro de 2015 às 17:19
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

Brasil será o destino da primeira viagem internacional do eleito Mauricio Macri

Maurício Macri, derrubou o

Os exportadores brasileiros de calçados têm boa expectativa em torno das eleições na Argentina e agora ficam ainda mais otimistas, pois o País que é o segundo maior comprador de calçados brasileiros promete quebrar uma série de barreiras com o Brasil. 

E outra boa notícia é que o Brasil será o destino da primeira viagem internacional do presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri, após tomar posse. 

A intenção do argentino foi manifestada hoje (23) durante um telefonema com a presidenta Dilma Rousseff, que ligou para cumprimentá-lo pela vitória na eleição de ontem (22).

E as expectativas positivas têm razão de ser: neste ano os Estados Unidos foram o maior mercado dos calçados brasileiros, seguidos por Argentina. Foram US$ 148 milhões dos norte-americanos e US$ 59,7 milhões da Argentina.

A posse de Macri está marcada para o dia 10 de dezembro. Na conversa, que durou menos de 10 minutos, de acordo com a Secretaria de Imprensa da Presidência da República, Dilma convidou o presidente eleito argentino para vir ao Brasil antes de assumir oficialmente a Casa Rosada. Macri disse que vai tentar conciliar as agendas para se reunir com Dilma antes do próximo dia 10.

O presidente eleito também disse a Dilma que seu governo pretende dar “nova vitalidade ao Mercosul” e ter uma relação “fluida e dinâmica” com o Brasil. Nos últimos anos, políticas protecionistas dos governos de Néstor Kirchner e Cristina Kirchner enfraqueceram estratégias econômicas do bloco. 

No dia 21 de dezembro, Macri vai representar a Argentina na Cúpula do Mercosul, no Paraguai. Mauricio Macri foi eleito ontem (23), em segundo turno, com 51,4% dos votos, derrotando o candidato governista Daniel Scioli e pondo fim a 12 anos de governo da família Kirchner.