ESCREVER

  • mmargoliner
  • Publicado em 18 de maio de 2016 às 18:37
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

UMA VIAGEM SEM FIM IV

   Escrever compreende um universo de fatores materiais a imateriais. São tantos que não há como conceituar com uma simples observação. Mas, além de experiência de vida e cultura – já enfatizadas nesse painel – um dos fatores fundamentais está na criatividade, atributo considerado por Suzana Herculano-Houzel, neurocientista, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) como a flexibilidade cognitiva, “a capacidade de mudar o conjunto de regras em uso. Na hora de ser criativo, o cérebro usa a si mesmo de outra maneira e descobre caminho alternativo para resolver o problema da vez”. Ocorre que essa capacidade depende de “…experiência real com o mundo. Somente assim o cérebro aprende a enxergar, a representar objetos e ações, a raciocinar. Um cérebro que nunca viu uma arara ou a cor ultravioleta não sabe imaginar o que é uma arara, ou a cor ultravioleta. Se a imaginação depende dos sentidos e os sentidos dependem de experiência, então a imaginação depende de experiência”. Vale dizer: sem cultura sólida adquirida no viver e estudar, ninguém consegue escrever além dos limites de seu conhecimento. É possível inventar artifícios – mas serão sempre pobres, limitados. Continuemos com as opiniões dos escritores e estudiosos.

   – ”…um autor que não esteja completamente sóbrio se encontra, para propósitos literários sérios, bêbado.” George Bernard Shaw.

   – “É fascinante como uma página pode ganhar vida quando fragmentada com o diálogo.” Roger H. Garrison.

   – “O objetivo apropriado de um escritor de ficção não é tanto construir uma imagem física do personagem pela enumeração dos detalhes de cabelo, compleição, estatura e assim por diante, quanto reproduzir a qualidade única da pessoa como um ser humano individual”.  Robert Saunders Dowst.

   -“O estilo pode ser descrito com mais propriedade do modo como o juiz falou da obscenidade: eu não sei o que ela é, mas sei quando a vejo”. Roger S. H. Schulman.

*Esta coluna é semanal e atualizada às quintas-feiras.