HISTÓRIAS DA MÚSICA UNIVERSAL

  • Beny Chagas
  • Publicado em 27 de dezembro de 2015 às 14:05
  • Modificado em 8 de outubro de 2020 às 17:49
compartilhar no whatsapp compartilhar no telegram compartilhar no facebook compartilhar no linkedin

MÚSICA DE NATAL NO TEMPO

Mesa quase posta, irmandade reunida e meu filho Lucas recém desembarcado dos EUA… Dois dos meus irmãos, Magela e Beto ,mais afeitos à música por uma série de razões, inclusive, pelo trabalho no rádio por longo tempo…No tempo em que se tocava “musica especial” em data especiais, como o Natal. Noite Feliz…É isso aí. Noite Feliz… É música que se canta e toca nessa época. E como começou essa história de música natalina ¿  Foi Martinho Luthero que…Não, foi Händel… Bem, a discussão armada leva à pesquisa, cada um à sua maneira. E resulta no que se segue.

A música natalina teria surgido, segundo diversas fontes, no início do Séc. II, por volta do ano 138, através do Papa Telésforo. Era interpretada por padres e pessoas especializadas, com prioridade para o canto Gregoriano, sem a participação direta dos fiéis, até meados do séc. XVI. Foi quando Martinho Lutero realizou a Reforma Protestante. A partir de então, tornou-se tradição nos países cristãos, cantada de maneira mais simples, através de corais populares.

A canção natalina mais antiga registrada nas pesquisas é “Jesus Refulsit Omnium” (Jesus Luz de Todas as Nações), atribuída a Santo Hilário de Poitiers (talvez só a letra), escrita no Séc. IV.

No entanto, a mais conhecida é, sem dúvida, “Noite Feliz”, cujo título original é “Stille Nacht, Heilige Yach”. Foi escrita quase que acidentalmente pelo sacerdote austríaco Joseph Mohr (1792-1848) e por seu amigo Francisco Xavier Gruber (1717-1863), quando da quebra do órgão de sua paróquia, a capela de São Nicolau, que ficava na cidade de Oberndorf, às vésperas de uma apresentação. Escreveram  um canto que pudesse ser acompanhado apenas por um violão, na tradicional missa do galo e foi assim que nasceu “Noite de Paz” (que entre nós virou “Noite Feliz”) , para o natal de 1818. Estima-se que a canção tenha ganhado tradução pra mais de 330 idiomas, até a data de hoje.

Muitas outras canções emolduram a época natalina, inclusive brasileiras “da gema”.

A Georg Friedrich Händel, citado lá na discussão, é atribuída a melodia de “Joy To The World” , com letra inglesa de Isac Watts, inspirado no Salmo 98.

No Brasil, todos conhecem “Jingle Bells”,de 1857, que virou “Bate o Sino”, gravada pela primeira vez em 1951. E mais um tanto delas, como “Happy Xmas”, de John Lennon, que se consagrou com “Então é Natal”, na voz de Simone; “Natal das Crianças “, de Blecaute; “Sapatinho de Natal” (Bom Velhinho), de Octavio Filho; “Boas Festas”, de Assis Valente; e tantas e tantas outras. Não caberia tudo aqui.

Nos EUA é muito comum grandes astros gravarem canções tradicionais com arranjos , inclusive, jazzísticos. Como exemplo, Dean Martin, Frank Sinatra, Ella Fitzgerald, Michael Bublé e por aí afora.

E O NOVO DISCO DO ROBERTO…


…é “Primeira Fila”. Foi gravado no estúdio Abbey Road, dos Beatles, em Liverpool, Inglaterra,  onde muita gente grande sonha gravar. Como comecei a comentar no post passado, o “Rei” reuniu algumas canções já consagradas que ganharam novos arranjos, como , por exemplo,

“Eu te amo, Te amo, Te amo”, “A Volta”, “O Portão”, Cama e Mesa”, “Emoções”, “Lady Laura”, “Proposta”, em espanhol, “And I Love Her”  dos Beatles (que ela já havia gravado em português), em inglês, e outras, perfazendo um total de 17 faixas. O trabalho, áudio e vídeo, é um projeto que tem como alvo principal o público latino, grande consumidor da obra de Roberto e foi gravado simulando uma apresentação ao vivo, com banda e coral do próprio estúdio, com resultado muito bom. Em uma das faixas, participa o cantor mexicano Marco Antonio Solís.

TEM  GENTE BOA DE VOLTA , NA NOITE DE FRANCA !

Zûk Chagas is back from USA, o que resulta no retorno aos palcos da cidade e região de uma das bandas mais cultuadas pelo pessoal que curte “reinvenções” de grandes clássicos do rock. Paulinho Campos (batera e vocal), Diego Randi (baixo “a mil”) e Zûk (vocal e guitarra Fender dos sonhos originalíssima, mais as outras,  envenenadas), já entram em estúdio pros ensaios e atualizações e avisam : “FITA CREPE” IS BACK ! Já, já, divulgamos a agenda pra este início de ano.

BENY CHAGAS MUSIC SHOW

Clássicos e standards da música universal. Consagrados originais, primorosas releituras vocais e instrumentais. Coisas que você não ouve NORMALMENTE por aí.

Sábado às 9 e domingo às 10 da manhã na Mais Brasil FM-Franca–SP-101,3 Mhz.

Sábado às 11 e domingo ao meio-dia em www.francanoticias.com.br.

Sábado e domingo às 11 da manhã em www.radionovaip.com.br-Ribeirão Preto-SP.

Aguarde mais endereços. Não abro mão de você.

*Esta coluna é semanal e atualizada aos domingos.