Vacina italiana consegue reduzir reserva do vírus latente do HIV em 90%

Pesquisa abre novas perspectivas para a cura da Aids. Vacina foi testada em pacientes de oito hospitais

Postado em: em Ciência

Uma vacina terapêutica desenvolvida na Itália conseguiu reduzir em 90% a "reserva" de vírus latente em pacientes contaminados com o HIV.

O estudo, conduzido pelo Centro de Pesquisas contra a Aids do Instituto Superior de Saúde (ISS), órgão ligado ao governo italiano, foi publicado no periódico Frontiers in Immunology e abre novas perspectivas para a cura da doença.

Barbara Ensoli, diretora do Centro de Pesquisa conta a Aids, se mostra otimista com os resultados. "Os resultados abrem perspectivas para uma terapia capaz de controlar o vírus mesmo depois da suspensão dos remédios antirretrovirais. De tal modo, surgem oportunidades preciosas para a gestão clínica em longo prazo das pessoas com HIV, reduzindo a toxicidade associada aos remédios, melhorando a aderência à terapia e a qualidade de vida", disse.

A vacina "Tat" foi aplicada em pacientes de oito hospitais italianos e reduziu o reservatório de HIV latente em 90% em um período de oito anos - o vírus latente, ou seja, que está inativo, não é afetado pelos medicamentos antirretrovirais. "A cura da Aids é uma prioridade absoluta da comunidade científica internacional", disse o ISS. Um estudo publicado em 2018 mostrou que a luta contra o HIV consumiu US$ 563 bilhões entre 2000 e 2015.


Artigos Relacionados