Pesquisa descobre como o nosso cérebro processa os pensamentos abstratos

Esses conceitos abstratos são construídos por três dimensões de significado no cérebro.

Postado em: em Ciência

Usando o aprendizado de máquina, pesquisadores da Universidade Carnegie Mellon (EUA) mapearam o cérebro humano e descobriram as regiões cerebrais relacionadas a como os conceitos abstratos, como justiça, ética e consciência, se formam. 

Os resultados desse estudo foram publicados na revista “Cerebral Cortex”.​

“Os seres humanos têm a capacidade única de construir conceitos abstratos que não têm âncora no mundo físico, mas muitas vezes tomamos essa capacidade como certa”, disse Marcel Just, professor de psicologia da Carnegie Mellon e autor sênior do artigo.

“Neste estudo, mostramos que componentes de significado recentemente identificados usados ​​pelo cérebro humano agem como um sistema de indexação, semelhante ao catálogo de cartões de uma biblioteca, para compor o significado de conceitos abstratos.”

Padrões identificados

Neste estudo, Just e seus colegas examinaram os cérebros de nove participantes adultos de uma comunidade culturalmente homogênea no campus da universidade, empregando ressonância magnética funcional. 

A equipe examinou os dados usando ferramentas de aprendizado de máquina para identificar padrões para cada um dos 28 conceitos abstratos.

Eles aplicaram o algoritmo de aprendizado de máquina para identificar corretamente cada conceito (com uma precisão de classificação média de 0,82, em que o nível de chance é 0,50).

Esses conceitos abstratos são construídos por três dimensões de significado no cérebro. 

A primeira dimensão corresponde às regiões associadas ao idioma. Por exemplo, o conceito de ética pode estar vinculado a outras palavras, como regras e moral. Uma pessoa deve primeiramente entender as palavras para construir o significado adicional da ética. 

A segunda dimensão define conceitos abstratos em termos de referência, para si ou para uma fonte externa. Por exemplo, espiritualidade refere-se a si mesmo, enquanto causalidade é externa a si mesmo. 

A dimensão final está enraizada em construções sociais. Há um componente social inerente aos conceitos de orgulho e fofoca.

Sistema de indexação

No mapeamento do cérebro, cada conceito foi apresentado visualmente e o participante foi autorizado a pensar nessa ideia por três segundos. Os participantes viram o conjunto de palavras seis vezes.

Os 28 conceitos abordados no estudo abrangem sete categorias: matemática (subtração, igualdade, probabilidade e multiplicação); científica (gravidade, força, calor e aceleração); social (fofocas, intimidação, perdão e elogio); 

Emoção (felicidade, tristeza, raiva e orgulho); direito (contrato, ética, crime e exoneração); metafísica (causalidade, consciência, verdade e necessidade); e religiosidade (divindade, espiritualidade, sacrilégio e fé).

“É chamativo chamar esse trabalho de leitura da mente”, disse Just.

“Para mim, é uma prova de que identificamos alguns dos elementos do sistema de indexação – representação verbal, externalidade/interioridade e dimensão social – que nosso cérebro usa para codificar conceitos que não têm manifestação física no mundo.”


Artigos Relacionados