Parecer Pedagógico I

Postado em:

Nas assessorias que ministrei esta semana, o assunto foi extenso em vários momentos sobre COMO DAR UM PARECER PEDAGÓGICO para os pais.

Professores de piano enfrentam no geral alguns problemas , que não são comuns somente no Brasil , mas conversando com 3 professoras brasileiras que trabalham com aulas de piano nos EUA, relataram questões parecidas.

Primeiro:

Um relato de uma professora dos EUA -“ Os pais dos alunos não querem ouvir as outras crianças tocarem. Quando faço uma apresentação de alunos eles simplesmente ouvem o seu filho , se levantam e vão embora sem ouvirem as outras crianças”. Imaginem esta situação. Fico pensando nas últimas crianças a tocar...não terão plateia, somente os pais dela. E precisamos educar para saberem ouvir . Não sei se chamamos de narcisismo, de egoísmo, de falta de educação, de falta de sensibilidade, não sei que nome podemos dar a uma atitude dessa. Lamentável. Saber esperar, saber ouvir, saber apreciar ou respeitar. O mundo da música exige que sejamos plateia e educada. Na Europa este ensino é altamente valorizado, a criança precisa ficar até o final juntamente com a família e ouvir todas as pessoas tocarem.

Segundo:

Um relato de uma professora do Estado do Espírito Santo, a qual faz assessoria pedagógica comigo: - “ Os pais não querem acompanhar as tarefas dos filhos, ao invés disso dão castigos, culpam as crianças, dizem que elas não querem estudar, que não gostam do instrumento, quando na verdade eles não sabem orientar os estudos, apesar das explicações que são dadas.”Este também é um caso comum, quando os pais culpam os filhos ... quando na verdade eles deveriam conversar, ensinar, ter paciência, sentar do lado, apreciar cada evolução por mínima que seja, só da criança conseguir coordenar os 5 dedos para cada um fazer uma coisa diferente já é uma super evolução. Mas não acompanham . É como se de repente colocassem o filho no futebol e depois de algumas aulas já quisessem que ele fizesse todos os gols, ganhasse todas as glórias e medalhas. O processo de aprendizagem fica à margem, desprezado e esquecido.Cada conquista da criança não é vista. Cada nota musical nova que ela aprendeu, cada postura que adquiriu, cada pensamento novo que formulou sobre perseverança por exemplo, nem é considerado, nem é visto .

Terceiro:

O caso de um aluno que chegou doente numa aula com diarreia, vômito e tinha que parar a aula para ir ao banheiro. Sim, claro, ele estava passando mal. Então o professor teve a sensibilidade de entender isso e deixar o aluno à vontade, ofereceu água para repor o que ele perdeu. Mas na semana seguinte o aluno chegou da mesma maneira e o professor perguntou se ele estava tomando algum remédio ou mudou alimentação, ou algum procedimento para melhorar . E o aluno disse que sempre acontece isso com ele e todo mundo já se acostumou.O professor chamou a família e perguntou o que estava sendo feito. E responderam que estavam cuidando direito. E o professor questionou que já fazia uma semana com diarreia e o aluno chegou mais magro. Os pais tiraram o aluno das aulas porque o professor tentou ajudar o aluno pedindo uma postura mais eficiente dos pais para que o menino melhorasse. Parecer pedagógico e psicológico. Ele não poderia esperar a terceira semana para tentar ajudar esta criança...

E por aí vão os pareceres pedagógicos que tentarei compartilhar para que os pais se atentem da importância de seus olhares, da importância de sentir cada pequeno progresso ou fracasso de seus filhos e estarem juntos. O mundo está hipnotizado pela questão de que ‘ vamos levando como podemos’ . Nós podemos fazer melhor !

Ouçam as palestras da PEDIATRA – DRA FILÓ – de Belo Horizonte – fiquei chocada com os pareceres que ela deu sobre casos em seu consultório .

https://soundcloud.com/user-520711638/dra-filo-no-colegio-santo-antonio-2018