Carmo do Rio Claro (MG) se destaca em oportunidade turística

Cultura, história, gastronomia e ecoturismo definem Carmo do Rio Claro (MG)

Postado em: em Cidades

carmo do rio claro

Cachoeira da Véu da Noiva

Carmo do Rio Claro prova a expressão que dize haver “muitos Brasis a serem descobertos dentro do Brasil”. Localizado no sul de Minas Gerais, o município é marcado pelos biomas do Cerrado e da Mata Atlântica e exibe grande potencial turístico. O empenho dos empresários locais é um impulso e tanto para colocá-lo em destaque no mapa do Turismo nacional.

carmo do rio claro
Marly Lemos e Tião Nara, presidente da Asceturis e Prefeito de Carmo do Rio Claro respectivamente

“Eu sempre tive em mente que o Turismo seria mola propulsora para nossa cidade. A natureza propõe um turismo tranquilo com cachoeiras, lavouras e fazendas antigas. Com a criação da Asceturis, o poder público está à disposição para fornecer a estrutura necessária para impulsionar o setor”, declara Sebastião César Lemos, prefeito de Carmo do Rio Claro.

Com três de suas fronteiras banhadas pelo Lago de Furnas – o Mar de Minas, como é chamado – em uma área de 212 km², a cidade de 21.268 habitantes, segundo dados de 2020 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), se destaca pela cultura, artesanato e produção agropecuária, tendo os dois últimos, forte impacto na economia local.

Uma joia a ser lapidada

O destino já é conhecido entre os adeptos do turismo rural, segmento que propicia um leque de atividades que vão de passeio a cavalo e roteiros off road à visitação e vivência nas fazendas. Estabelecimentos como o Hotel Fazenda Tormenta complementam a experiência com oferta de contato com os animais do campo aliado ao conforto de um bom serviço hoteleiro.

Devido ao relevo local, tanto os passeios náuticos quanto os terrestres permitem a chegada de deficientes e pessoas com baixa mobilidade, já que eles são operados por veículos adaptados e os atrativos são acessados facilmente, sem a necessidade de percorrer uma trilha, por exemplo.  

  • Carmo do Rio Claro
    Cachoeira Água Limpa
  • carmo do rio claro
    Para chegar nas áreas de banho, foi necessário o uso de uma balsa e posteriormente duas lanchas para acessarem às mais estreitas
  • Carmo do rio Claro
    Os paredões formam cânions que delineiam o caminho até as cachoeiras
  • Carmo do rio Claro
    O trajeto até as cachoeiras reserva varias paisagens deslumbrantes. Foto: Ana Azevedo
  • Carmo do rio Claro
  • Entrada para a Cachoeira da Água Limpa
  • Carmo do Rio Claro
    Cachoeira Água Limpa

Áreas naturais, como as cachoeiras, ainda requerem trabalho de infraestrutura – com a instalação de rampas, corrimãos, banheiros e lixeiras –, fiscalização e itens como coletes salva-vidas para combinar preservação do meio ambiente, segurança e conforto do visitante.

Marly Lemos, presidente da Asceturis, revela que as demandas identificadas estão em estudo. “A associação foi criada há dois meses e estamos nos organizando para ter o estudo de impacto ambiental para trabalhar em cima da capacidade dos estabelecimentos e atrativos. Não queremos turismo de massa, mas que o turista se divirta com tranquilidade. Carmo do Rio Claro está entre os municípios com menor índice de violência e, para quem mora em cidade grande, esse é um aspecto importante”, afirma.

Ela pontua que a visão de turismo como negócio vem sendo incentivada e ainda requer investimento. “Estamos criando projetos e buscando apoio do poder público para infraestrutura e capacitação, além de fazer parcerias com a iniciativa privada”, explica. A prefeitura oferece incentivos fiscais por dez anos para as empresas optantes que cumprirem certos requisitos.

Uma das boas notícias recentes é que a cidade será contemplada com um repasse do Ministério do Turismo para reformar o acesso à capela de Nossa Senhora da Aparecida, localizada no alto da Serra da Tormenta, uma área de turismo religioso. “Como associação, visamos controlar o acesso por meio da venda de ingressos para, assim, promover a preservação, mover a economia e evitar a superlotação”, ressalta Marly.

Para que os projetos da Asceturis saiam do papel, com apoio financeiro municipal, é necessário que o prefeito eleito para o mandato 2021-2024 enxergue o segmento como catalisador para o desenvolvimento da cidade. Marly adianta que todos os candidatos contatados pela associação manifestaram interesse em criar uma secretaria técnica de turismo.

História e tradição

Um dos espaços mais curiosos em Carmo do Rio Claro é o Museu de Arqueologia Indígena, ponto de parada obrigatório para amantes de história. No acervo, há mais de quatro mil itens fabricados pelos índios Catú-Auá, que em tupi-guarani, significa “homem bom”. Quando o nível de água na represa está baixo, é possível conhecer os sítios arqueológicos.

Dentre as peças, há lanças, joias, urnas funerárias, cachimbos, restos mortais de humanos e animais. O patrimônio, construído de forma colaborativa pelos moradores da região, começou em 1932 quando Flávia Leite e Antonio Leite encontraram duas lâminas de machado polido e uma quebra coco por acidente.

Moradores de outras propriedades passaram a entregar seus achados a Antonio e a raridade dos tesouros com mais de nove mil anos, colecionados por cinco décadas, despertou o interesse de universidades e institutos especializados. Há dez anos, filha de Antonio e atual curadora do museu, conseguiu um espaço público e passou a exibir os achados locais. “Meu pai guardava as peças em casa até que não tínhamos mais lugar para colocar. Instalamos o museu e é frequente que arqueologistas venham estudar os artefatos”, conta.

Devido às restrições da pandemia, o Museu ainda fechado para visitação pública. O período está sendo usado para a construção de uma rampa de acesso para cadeirantes.

Outro ponto imperdível é a Associação dos Artesãos de Carmo do Rio Claro, espaço para confecção e venda de brinquedos, vestimentas e artigos de decoração a partir do tear. Carmo do Rio Claro é conhecida como a capital da tecelagem artesanal.

Miriângela Marques, artesã local, explica que o tear chegou para a fabricação dos sacos de estopa que armazenavam café. A máquina feita em madeira era guardada no porão das residências. “Com o tempo, saímos do estilo rústico e, hoje, conseguimos produzir vestimentas. Na associação, promovemos visitas e cursos para ensinar sobre o processo de criação das peças”, conta.

Outro destaque local é a gastronomia. Seja no tradicional bordado – doce feito com frutas cristalizadas que têm as cascas desenhadas à mão – ou nos molhos e conservas de pimentas “tradicionais” como malagueta e biquinho e outros feitos com as espécies mais ardidas do mundo – como Carolina Reaper, Trindad Scorpion e Bhut Jolokia. O primeiro é conhecido na visita à fábrica Mistura Melada, o segundo pode ser degustado no Fogo Mineiro.

No alambique Coração de Minas, local de produção da cachaça homônima, o visitante aprende sobre o processo da fabricação do destilado, desde o corte da cana até a distribuição. A aguardente é facilmente encontrada em restaurantes e pousadas, exceto aquelas que investem em fabricação própria – o que não é raridade no município. Na praça central, há uma loja com produtos personalizados e edições especiais da bebida.

  • Os quartos na Pousada Pontal do Lago são amplos e quipados com tv, wifi e frigobar, além de terem vista para o Lago de Furnas
  • Carmo do Rio Claro
    Doces bordados em exposição na Associação Dos Artesãos De Carmo Do Rio Claro. Foto: Ana Azevedo
  • Carmo do rio claro
    Carolina Reaper, uma das pimentas mais ardidas no mundo, feita na fábrica Pimenta Fogo Mineiro. Foto: Ana Azevedo
  • Carmo do Rio Claro
    Cachaça Capetinga pertencente à fazenda homônima que também cultiva café e gerencia a pousada Pontal do Lago
  • Carmo do Rio Claro
    Bonecas na Associação Dos Artesãos De Carmo Do Rio Claro. Foto: Ana Azevedo
  • Carmo do Rio Claro
    Miriângela Marques, artesã local. Foto: Ana Azevedo
  • Na fábrica Pimenta Fogo de Minas, os licores estão dispotos nas opções cremosos e trufados
  • Museu de Arqueologia Indígena de Carmo do Rio Claro. Foto: Ana Azevedo
  • Carmo do Rio Claro
    Una funerária em exposição no Museu de Arqueologia Indígena de Carmo do Rio Claro. Foto: Ana Azevedo
  • Carmo do Rio Claro
    Clesio Santos, proprietário da Di Boa Pescaria esportiva e passeios
  • Carmo do Rio Claro
    Simone e Carlos Alberto, proprietários da Pousada Pontal do Lago
  • Os quartos na Pousada Pontal do Lago são amplos e quipados com tv, wifi e frigobar, além de terem vista para o Lago de Furnas
  • Carmo do Rio Claro
    Doces bordados em exposição na Associação Dos Artesãos De Carmo Do Rio Claro. Foto: Ana Azevedo
Doces bordados em exposição na Associação Dos Artesãos De Carmo Do Rio Claro. Foto: Ana Azevedo

Natureza e eventos

É valido ressaltar que três das principais quedas d’água – Alegria, Água Limpa e Véu da Noiva – ficam em áreas privadas que não são fiscalizadas pela prefeitura e também dispensam autorização dos proprietários. A operação é feita pela Di Boa, única empresa da cidade que atua com ecoturismo e pesca esportiva, além de fornece guias de turismo para acompanhar e orientar os viajantes nos passeios.

As duas lanchas têm capacidade para até seis viajantes cada e o passeio até a cachoeira dura cerca de duas horas. O roteiro pode incluir uma das três quedas d’água ou todas elas e há, ainda, a possibilidade de almoçar em um estabelecimento à beira do lago. Uma boa dica é a Pousada Jatobá, bem estruturada para receber os turistas nessa parada.

Outra atividade náutica de destaque é a pesca esportiva. Segundo Clesio Santos, proprietário do receptivo, a área é propícia para encontrar tucunarés, traíras e tabaranas. A atividade é indicada para pessoas de todas as faixas etárias e não requer experiência prévia.

Às margens do Mar de Minas, a Pousada Pontal do Lago, oferece chalés para até cinco pessoas – equipados com wi-fi, televisão e frigobar -, estrutura de lazer e promove passeios de contemplação em barcos pelo Lago de Furnas.

Mas se engana quem pensa que Carmo do Rio Claro é local indicado somente para descanso e contato com a natureza. Além do ecoturismo, o carnaval local lota os estabelecimentos hoteleiros, com festas de rua que se destacam pelo clima familiar. O calendário cultural inclui ainda a Festa do Peão, a cavalgada em torno da Serra da Tormenta e festa folclórica, com cerca de 30 companhias de Reis.

Marly conta que sonha em promover uma feira gastronômica focada em peixes e um festival de café com palestras e interações. “Temos muita sazonalidade e precisamos acabar com isso. Até o momento, a divulgação aconteceu basicamente pelo boca a boca, mas está entre os planos da Asceturis promover pelo menos quatro grandes eventos por ano”, diz.

Carmo do Rio Claro que teve poucos casos de covid-19 e encontra-se em fase verde no plano de retomada estadual, também se adequou aos protocolos de combate à transmissão da doença.

Essa ação complementa a oferta e tem de tudo para agradar clientes que buscam fugir de centros urbanos e dos destinos convencionais. Além de opções culturais, roteiros de ecoturismo e da gastronomia típica mineira, a receptividade fará com que o viajante se sinta em casa.


Carmo do Rio Claro
Pousadas na beira do Lago podem ser observadas e acessada durante o percurso

O doce Mar de Minas

Com 1.406,26 km² e 3.500 km de perímetro, o Lago de Furnas, pertencente à Usina Hidrelétrica de Furnas banha 34 municípios de Minas Gerais. O reservatório foi construído na década de 50, inundando propriedades privadas, fazendas e sítios arqueológicos, a fim de gerar energia não só para o estado sede, como para os vizinhos.

O local escolhido para a instalação da hidrelétrica foi o curso médio do rio Grande, no Sul de Minas, entre os municípios de São João Batista da Glória e São José da Barra. Atualmente, a entidade que cuida dos interesses da região é a Associação dos Municípios do Lago de Furnas (Alago), que em parceria com outros municípios, incluindo Carmo do Rio Claro, está com um projeto de investimento para alavancar o turismo regional.

“Há seis meses, a Alago está atuando para promover o turismo e a nossa cidade é uma das quatro investidoras. Estamos apadrinhando a iniciativa com o valor de cem mil reais”, diz o prefeito de Carmo do Rio Claro.

Serviço

Hotel Varandas da Montanha

(35) 3561-2696 e (35) 99215-1975
www.varandasdamontanha.com.br

Pousada Pontal do Lago

(35) 3561-1426
www.pontaldolago.com.br

Pousada Paraiso do Carmo

 (35) 99830-4400

Pousada Jatobá

(35) 99985-5338
www.pousadajatoba.com.br

Hotel Fazenda Tormenta

(35) 99985-5888
www.hotelfazendatormenta.com.br

Pousada Oásis de Minas

 (35) 3561-2155
www.pousadaoasisdeminas.com.br

Di Boa – Pescaria Esportiva e passeios de barco

(35) 9 99306390

Coração de Minas

(35) 9 9985-5443
http://www.coracaodeminas.com

Mistura Melada

(35) 99151-2927
www.misturamelada.com.br

Fogo Mineiro

(35) 99761-2064
www.fogomineiro.com.br


Brasilturis Jornal


Artigos Relacionados