Harmonização facial

Postado em:

​Esse é um termo que tem sido muito falado no momento, nas mídias sociais, na TV, nas propagandas de procedimentos estéticos e no pedido da maioria das pessoas que buscam os profissionais que realizam tratamentos de rejuvenescimento e embelezamento.

Considero muito feliz essa palavra. Sinônimo de equilíbrio, ordem, consonância, entendemos bem a harmonia quando pensamos na música, no vinho, na arte, na decoracão e até mesmo nas relações humanas de amor e amizade. 

Harmonia é estar em paz com os sentidos - o som que não fere o ouvido, a cor que acalma, a paz que reina, a beleza que enche os olhos de quem olha e gosta.

Na estética também é assim que deve ser. Nada de exageros ou de mudanças radicais que deixam as pessoas quase irreconhecíveis ou o que é pior ainda - todas com a mesma cara. 

Harmonizar é realçar a beleza de cada pessoa sem faze-la perder suas características pessoais e individuais. É cuidar da pele, das manchas, das marcas, das rugas, enfim, recuperar um pouco de tudo que o tempo modificou. 

Harmonizar também significa realizar pequenos "consertos", no sentido de promover um maior equilíbrio das estruturas da face, levantando um nariz, projetando um mento, aumentando um lábio, consertando uma arcada dentaria ou refazendo uma sobrancelha cujos pelos já não existem mais.

Para cada desejo de mudança, ou melhora,  existe um procedimento mais adequado. Lasers, peeling, botox, preenchimento, radiofrequência, microagulhamento, ultra-som focado, cirurgias plásticas, próteses, etc. 

Lembrando que ... nem tudo serve para todos e nem todos precisam de tudo; e que muitas vezes um pequeno procedimento pode fazer a diferença e trazer muita felicidade!

​MD Codes - o que é?

Postado em: - Atualizado em:

Mauricio de Maio, criador do MD Codes

É uma técnica de preenchimento facial (com ácido hialurônico) concebida por um cirurgião plástico brasileiro, o Dr Mauricio de Maio, na qual ele descreve quais os pontos de injeção que considera mais adequados para reposição de volume e a correção dos problemas estruturais da face. ​

Problemas estes decorrentes da reabsorção e reposicionamento ósseo (principalmente na região malar), diminuição de coxins adiposos que sustentam a face, da perda de colágeno (a partir dos 20 anos de idade), diminuição da elasticidade, aumento da flacidez, surgimento das rugas, etc ...todas alterações características do envelhecimento;  ou por outras causas que levam a perda de volume, como cicatrizes por acidentes, emagrecimento, marcas de acne, etc. 

A técnica facilita o planejamento e o trabalho dos médicos que realizam o procedimento, porém não é uma “receita de bolo”  tão simples e fácil. Necessita visão tridimensional das estruturas anatômicas da face e conhecimentos profundos de vascularização, musculatura, enervação e outros detalhes que fazem a diferença no resultado e na segurança do procedimento.

Alguns formatos de rosto se beneficiam mais dessa técnica de MD Codes, como os rostos finos e magros, com perda de volume e flacidez; enquanto outros necessitam mais cuidado ao preencher, como por exemplo os rostos cheios e arredondados, que já têm malar e bochechas mais marcados. 

As empresas que produzem o acido hialurônico (produto utilizado no MD Codes) geralmente prometem uma durabilidade na pele de 1 ou 2 anos, dependendo das características do produto, mas nos últimos anos temos percebido que os resultados muitas vezes duram muito mais, pelo estimulo de colágeno. É o inicio da percepção de um avanço no entendimento dos preenchedores da pele, a Biomodulaçao, que será tema de um post futuro.

Nao existe uma idade mínima ou máxima para realizar o MD Codes. O que deve existir é a indicação correta do procedimento, pois cada pessoa é única, e assim deve ser tratada. Afinal, nao desejamos que todos fiquem com a mesma cara. A diversidade é bela!

A desvantagem do MD Codes é a quantidade de seringas preconizadas: 3, 4, 5, 8, 12 ou mais...  o que muitas vezes se torna inviável para muitos pacientes. Uma maneira de amenizar esses custos é fazer um planejamento, mais a longo prazo, do que se deseja tratar e o resultado final após um ano ou mais é realmente surpreendente.


   

Preenchimentos ou Fillers - o que você precisa saber sobre!

Postado em: - Atualizado em:

Preenchimentos ou Fillers.

O que é um filler?

São substâncias, naturais ou sintéticas, biocompatíveis com o tecido humano, que são injetadas na pele e subcutâneo com o objetivo de aumentar o volume da região aplicada.  

Que tipo de material pode ser usado como filler?

Atualmente existem várias classes de substâncias que preenchem os requisitos necessários, exigidos pelas Agências de Saúde do Brasil e do mundo, para serem aplicadas na pele, que são: ser inerte, inócuo, biocompatível, estéril, apirogênico, hipoalergênico, não cancerígeno.

Existem inúmeras caraterísticas fisico-químicas que diferenciam os fillers uns dos outros e que influenciam na escolha de qual produto utilizar para cada região que se deseja preencher : 

Durabilidade - podem ser definitivos (metacrilato, silicone) ou absorvíveis (gordura, ácido hialurônico, caprolactona, ácido polilático).

Mecanismo de ação - ter resultado imediato, pelo volume aplicado; ou resultado mais a longo prazo, por incorporação de água no produto, bioestimulacão e aumento de colágeno.

Forma física dos produtos:

Pó - necessita ser diluído em água destilada ou soro para ser aplicado (sculptra); 

Liquido/pastosos (silicone, metacrilato, radiesse); 

Gel transparente (ácido hialurônico); Fios - de PDO e acido polilático; 

Encapsulados (próteses silicone - também consideradas como um tipo de preenchimento).

Origem dos produtos: Autólogos (originados da própria pessoa ) - Exemplo:  gordura, PRF; Heterólogos - todos os industrializados. 

Características desejadas dos Fillers: boa durabilidade, custo acessível, facilidade de aplicação e armazenamento.

Voltaremos ao tema na próxima postagem.