ANS faz acordo para melhorar atendimento de planos coletivos de saúde

Intenção é obter melhores resultados em saúde e assegurar a sustentabilidade do setor

Postado em: em Saúde

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) fechou acordo de cooperação com o Serviço Social da Indústria (Sesi) para estimular ações de saúde da população atendida pelos planos coletivos empresariais e assegurar a sustentabilidade do setor.

A vigência é de 36 meses, mas pode ser prorrogado por até dois períodos de 12 meses. Conforme a ANS, a intenção é obter melhores resultados em saúde e assegurar a sustentabilidade do setor.

Segundo a agência, dois terços dos beneficiários de planos de assistência médica no país, cerca de 31,6 milhões, são coletivos empresariais, o que na visão do órgão, é imprescindível a participação dos contratantes nas discussões do setor, um dos objetivos principais do acordo firmado com o Sesi.

“A implementação de programas, ações e medidas de promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças contribui para a diminuição da sinistralidade, do absenteísmo e, consequentemente, para o aumento da produtividade e qualidade de vida dos colaboradores.”

Entre as ações previstas estão a promoção de debates, campanhas educacionais, contribuição técnica na estruturação, divulgação e disseminação de metodologias, programas de promoção à saúde no ambiente de trabalho, com o monitoramento e desenvolvimento de pesquisas e inovações relacionadas à integração assistencial, envelhecimento e fatores psicossociais.

Para a ANS, é importante reforçar o diálogo colaborativo entre empresas contratantes de planos de saúde e operadoras. 

“Com isso, buscamos promover a melhoria do sistema de saúde suplementar, estimulando a reflexão e a colaboração acerca da coordenação do cuidado em saúde e incentivando a adoção de programas de promoção de saúde e prevenção de doenças integrados à saúde ocupacional.”

No ano passado, a agência e o Sesi realizaram encontros com empresas contratantes de planos de saúde e gestores de operadoras em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Curitiba.


Artigos Relacionados